Marcelo Chamusca se pronuncia após eliminação do Vitória no Baianão

Treinador falou sobre a possibilidade de ser demitido

Foto: Divulgação / EC Vitória

A permanência de Marcelo Chamusca no comando técnico do Esporte Clube Vitória ainda é incerta. Balançando no cargo há alguns jogos, o treinador pode ser demitido a qualquer momento, porém, até agora não houve contato da diretoria, segundo ele próprio informou. Neste domingo, o Leão completou nove partidas sem vencer e chegou a terceira derrota seguida no Barradão, perdendo para o já sem ambições Fluminense de Feira, custando a vaga nas semifinais do Campeonato Baiano.

“Não houve nenhum contato agora depois do jogo. Até entendo o sentimento de todos. Quem conversou comigo foi Alarcon Pacheco agora nos vestiários, mas não houve nenhum contato da diretoria comigo não […] Meu estado emocional agora, e de tudo que vem acontecendo… Sem conseguir vencer, tenha certeza que essa estatística que estou vivendo no Vitória é muito triste e me traz um desgaste emocional. Um quadro como esse é quase surreal. A atmosfera é muito negativa, carregada. É muito difícil vivenciar um momento como esse”, assumiu o treinador, em coletiva após a partida.”, disse Chamusca.

Em entrevista coletiva após a partida, Marcelo Chamusca disse que não existe um culpado, dividiu a responsabilidade com todos. Sobre a partida, o treinador viu um Leão superior ao adversário, mas que não conseguiu ser efetivo.

“Não existe num momento como essa a culpa. Existem os culpados, todos nós somos culpados. Eu, como treinador, pela minha incapacidade de conseguir os objetivos do clube. A diretoria que me contratou e contratou o elenco, a maior parte deles com o meu aval. Os atletas que dentro de campo de jogo tem também a responsabilidade de jogar. Então não existe culpado. Todos nós somos culpados pela nossa incapacidade e nossa incompetência de em três jogos, primeiro contra a Juazeirense, ali a gente tinha 12 pontos e podia sair de lá com 15 pontos e matematicamente já estar classificado. Depois, aqui em casa com o Atlético de Alagoinhas, abrimos e depois tomamos a virada no segundo tempo. E hoje, aqui contra o Fluminense. Não adianta eu fazer levantamento de estatística, porque estatística num momento como esse é cortina de fumaça. Nós fomos muito superiores em todos os aspectos do adversário. Nós não conseguimos ser efetivos e ganhar o jogo e nós precisávamos ganhar. Eu divido com todos aqueles que fazem parte do clube a minha cota de responsabilidade nesse momento triste que o clube está vivendo”, disse.

 

 

Autor(a)

Fellipe Costa

Administrador e colunista do site Futebol Bahiano. Contato: futebolbahiano2007@gmail.com

Deixe seu comentário