Vitor Hugo comenta ‘bronca’ de Ceni e ameaças de torcedores

O jogador fez um balanço da temporada e explicou a "bronca" que levou de Rogério Ceni.

Foto: Divulgação/EC Bahia

O Esporte Clube Bahia teve um ano muito difícil, com eliminação precoce na Copa do Nordeste e uma campanha sofrível na Série A, lutando desde o início contra o rebaixamento e escapando na última rodada. O zagueiro Vitor Hugo, que foi contratado no meio do ano para ser um dos líderes do elenco, fez um balanço da temporada e explicou a “bronca” que levou de Rogério Ceni no centro do campo, logo após a partida contra o São Paulo, na 36ª rodada, por ter ‘abandonado’ a defesa e ido ao ataque um pouco antes do gol do time paulista.

 

“Ele me perguntou por que eu fui para o ataque. Eu disse que queria ganhar o jogo. Não teve discussão, não teve nada. A gente conversou de pertinho porque ele gosta que fale olhando nos olhos dele. Ele me explicou que estavam contando com o empate que tirava a gente da zona. Mas não teve problema. Mantive o bom relacionamento com ele. Foi bem interessante. É de quem quer vencer. A gente se cobra dentro de campo e depois se abraça. A gente tem que acatar porque ele é o nosso superior. Não foi nada demais. Foi logo que acabou o jogo. Acontece também. Conseguimos contornar isso”, revelou o zagueiro após a vitória contra o Galo.

O defensor também falou sobre os protestos de torcedores às vésperas do jogo contra o Atlético-MG. No desembarque do elenco em Salvador, após a derrota para o América-MG, os jogadores foram cobrados no aeroporto, e a Polícia precisou intervir com tiros de bala de borracha para dispersar o grupo de torcedores. Os atletas também sofrer ameaças, na frente do CT, com fotos dos rostos dos jogadores colados em sacos plásticos simulando “cadáveres”.

“Só agradecer [à torcida]. Nos ajudou, empurrou. Essa última semana foi bem tensa, teve ameaças. Mas sabia que o torcedor de verdade iria apoiar. Acho que, se Deus quiser, ano que vem vai ser melhor. A gente estava se cobrando. Pedi para eles esquecerem dos outros resultados e focar no que estava no nosso alcance. Acordei com a certeza que a gente iria vencer aqui, mesmo a maioria dizendo que não. E tentei passar essa energia para o pessoal. Disse para esquecer dos outros jogos, para fazer a nossa parte em casa. Vamos sair com a cabeça erguida. Conseguimos fazer um grande jogo, não só em número de gols, mas com uma atuação sólida”.

Autor(a)

Fellipe Amaral

Administrador e colunista do site Futebol Bahiano. Contato: futebolbahiano2007@gmail.com

Deixe seu comentário