Crise do coronavírus atinge até os gigantes europeus e salários são reduzidos

Craques aceitam redução além de ajudarem com doações

A crise decorrente da pandemia do coronavírus que paralisou todos os campeonatos pelo mundo chegou também nos gigantes europeus. É claro que não se compara a outros clubes de menor porte, exemplo dos times que disputam as Séries C e D do Campeonato Brasileiro, que sentem um impacto maior, inclusive, muitos deles anunciaram a desistência em participar da competição nacional, dispensaram jogadores e funcionários, e pedem socorro a CBF. No futebol europeu, dois gigantes anunciaram redução de salários dos atletas. No Barcelona, o craque Lionel Messi anunciou que ele e o restante do elenco do clube catalão reduzirão seus salários em 70% “para permitir que os funcionários do clube recebam 100% dos seus pagamentos”.

 

Segundo a imprensa catalã, o tom do discurso do capitão do Barcelona é uma resposta a insinuações nos bastidores feitas pelo presidente do clube, Josep Maria Bartomeu, de que o elenco não estava aceitando diminuir seus salários durante a crise. O craque argentino vem ajudando com doações e recentemente doou 1 milhão de euros (500 mil para hospitais da Argentina e 500 mil para hospitais na Espanha).

“Muito se escreveu e disse sobre o elenco principal do FC Barcelona no que se refere aos salários dos jogadores durante esse período de estado de alarme. Antes de nada, queremos deixar claro que nossa vontade foi sempre de aplicar uma redução no salário que recebemos, porque entendemos perfeitamente que se trata de uma situação excepcional e somos os primeiro que SEMPRE temos ajudado o clube quando ele nos pede. Incluído muitas vezes que o fazemos por iniciativa própria, e em outros momentos que achamos importante.”, disse Messi.

No último sábado, a Juventus anunciou que chegou a um acordo, em meio à pandemia do novo coronavírus, para reduzir os salários de jogadores e comissão técnica do time principal até o final da temporada 2019/2020. De acordo com comunicado divulgado pelo clube, os profissionais terão seus vencimentos referentes a março, abril, maio e junho reduzidos. Acordos individuais ainda serão realizados nas próximas semanas, conforme legislação local.

Nos cálculos da Juventus, a redução de salários no período propiciará aos cofres do clube uma economia de 90 milhões de euros (mais de R$ 510 milhões). Por fim, a Juventus agradeceu a jogadores e ao técnico Maurizio Sarri “pelo senso de responsabilidade demonstrado em uma situação difícil para todos”. O craque Cristiano Ronaldo aceitou a redução, além de estar ajudando bastante com doações, seja na construção de UTI’s, chegando na casa dos R$ 22 milhões e também doando respiradores. Recentemente, os clubes do futebol alemão também anunciaram a redução nos salários.

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*