Bahia com a cara do técnico Arturzinho

O Bahia precisa de reforços, de maior qualidade no seu grupo de jogadores, e de corrigir uma série de erros e falhas na formação da equipe. Mas sob o comando do técnico Arturzinho, todos esses problemas foram superados no jogo de sábado, quando o time baiano, mostrando raça, determinação e bom futebol, conquistou um expressivo resultado no triunfo de 2 a 1 sobre o Criciúma, no estádio Heriberto Hulse, em Santa Catarina, subindo do 16º para o 11º lugar na tabela de classificação da Série B do Campeonato Brasileiro, agora com sete pontos ganhos.

Foi surpreendente, em todos os aspectos, a atuação do Bahia no triunfo sobre o Criciúma, na melhor atuação do time baiano nos cinco jogos disputados até agora pela Série B do campeonato Brasileiro. Uma equipe diferente, mostrando organização, consciência tática, mas acima de tudo, raça, vontade, antecipando as jogadas, lutando pela posse de bola, bem diferente da apatia que mostrou nas partidas anteriores.

Mais a maior surpresa ficou por conta da improvisação do lateral-esquerdo Ávine no meio-campo, que já tinha sido aproveitado pelo técnico Arturzinho, nesta posição, durante os jogos pela Série C do ano passado. A opção do treinador foi decisiva. Ávine foi o melhor jogador em campo, responsável direto pelo triunfo do Bahia, sendo literalmente “caçado” em campo pelos jogadores do Criciúma.

Mesmo com as suas limitações, como a má fase de Luciano Baiano na lateral-direita, ou a falta de melhor condicionamento e ritimo ao centroavante Galvão, o time do Bahia jogou o suficiente para ganhar a sua segunda partida na Série B, ambas fora de casa, contra Criciúma e América, em Natal. O time do técnico Arturzinho construiu a vitória no primeiro tempo do jogo em Santa Catarina.

Logo aos cinco minutos Galvão abriu o placar, escorando de cabeça o bom cruzamento de Adílson, pela esquerda, e depois de perder outras boas oportunidades, ampliou para 2 a 0 aos 21 minutos, através de Bruno Cezarine, concluindo boa jogada realizada por Ávine, pelo meio. No segundo tempo, aos 21 minutos, Emerson Cris cometeu pênalti em Valdeir, e o goleiro Zé Carlos, fez a cobrança para definir em 2 a 1 o placar final no estádio Heriberto Hulse, garantindo os três pontos para o Bahia.

“No ano passado não perdemos um jogo sequer pela Série C em casa, no estádio da Fonte Nova. Uma prova da força, da importância e da diferença que a torcida do Bahia faz nos seus jogos”.

Desta forma, ainda em Santa Catarina, logo após o triunfo contra o Criciúma, o técnico Artuzinho deu o “pontapé inicial” numa campanha sob a sua liderança no sentido de devolver o torcedor do Bahia às arquibancadas do estádio Alberto Oliveira, o Jóia da Princesa, em Feira de Santana, até a reinauguração do estádio Metropolitano de Pituaçú, em Salvador. Dentre todos os problemas encontrados pelo treinador, a informação de que não chega a cinco mil a média de público nos jogos do Bahia este ano, por onde quer que tenha atuado, foi o que mais “assustou” Arturzinho.

“Tínhamos uma média invejável na Série C, mas perdemos a Fonte Nova. A torcida cobra, apóia, critica, elogia, e acima de tudo participa dos jogos do Bahia, precisamos transformar o Jóia da Princesa num caldeirão tricolor”, completou o treinador.

O Bahia volta a jogar pela Série B do Brasileiro no sábado, dia 14, contra o Paraná, último colocado na tabela de classificação, com cinco pontos ganhos. Neste jogo o técnico Arturzinho não vai poder contar com Ávine, que vai cumprir a suspensão automática da terceira advertência do cartão amarelo. A delegação do Bahia chegou a Salvador ontem, pela manhã com folga geral para o grupo, que se reapresenta hoje no Centro de Treinamentos do Fazendão, com trabalhos em tempo integral. Com informações da Tribuna da Bahia

Deixe seu comentário!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*