A violência da torcida Imbatíveis tem explicação?

Não restam dúvidas de que esses Marginais da TUI- “Torcida Organizada Imbatíveis” estão afastando os torcedores que tradicionalmente desejam participar da alegria de comemorar as vitórias do seu time dentro de campo. Essa torcida é composta essencialmente de vagabundos desocupados travestidos de torcedores e a motivação maior de sua criação é baderna e a desordem.

A ideologia que norteia os seus integrantes são a intolerância e a completa ausência de respeito para com o torcedor adversário. São marginais que não merecem as novas oportunidades que lhes foram dadas para conviver novamente em sociedade, uma vez que a maioria absoluta de seus integrantes possuem antecedentes criminais devidamente apreciados pela lei, mas infelizmente foram liberados para reincidir na pratica de atos nocivos à ordem social.

Identificá-los não é o bastante, é necessário principalmente puni-los severamente e efetivamente como única solução.

Orientados por uma hierarquia, os marginais submissos ao comando dos “chefes de torcida” assumem o papel de promoverem as brigas que começam com gritos e ofensas e posteriormente caminham para as agressões físicas a distância (pedradas, pauladas, tijoladas, bombas caseiras e infelizmente como ocorreu ontem ( domingo 10.02)até tiros que vitimaram dois torcedores do Bahia) e o contato físico passa a ocorrer exatamente quando já não existe mais nada para ser atirado. Essa é uma descrição perfeita e verdadeira do que realmente acontece.

Por outro lado, esse diagnostico grosseiro é apenas informativo e pouco analítico em relação à violência implementada pela Torcida Imbatíveis nos estádios de futebol e nos lugares urbanos de Salvador, pois não explica como se deu e se dá esse processo de multiplicação da violência, por isso ele deve ser ampliado de modo a compreender como ocorreu o surgimento de mais um grupo de criminosos, como essa torcida do Vitória que traz para nossa cidade o que já verificamos no Sudeste do Brasil.

Veja o texto na íntegra (aqui)

Leonardo Dias

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*