A reconstrução do Bahia e o desafio do Vitória!!

Amigo torcedor, depois de um longo ano esportivo e de uma
sofrida e dolorosa série B (muito mais para o pessoal do interior, claro !
kkk), entramos naquele marasmo de final de ano. Papai noel (Falei Noel e não
Joel !!! kkkk) ainda não chegou (eu já pedia a ele o “impicha” de presente
!!rss) e a temporada de especulações segue em plena ebulição.  Longo e tenebroso será este inverno até
termos uma imagem completa e concreta do que os nossos dois esquadrões (calma,
menos, menos…)  poderão apresentar no
próximo ano.

O Desafio de reconstruir o Bahia

O Sr. Presida, eloquente e novato mandatário, continua
procurando rumo para si e para o clube que representa. Após um ano onde viu sua
credibilidade despencar perante a torcida, ele ainda não apresentou novidades
impactantes que possam reenergizar a confiança da galera tricolor. Além da
promissora contratação do gerente de futebol, nada realmente  aconteceu. Muito pelo contrário, pelas
informações que chegam do fazendão, o discurso de uso intensivo da base parece
que será a tônica do ano de 2016. Com todo respeito e com toda boa vontade que
a torcida possa ter com a base, ninguém em sã consciência imagina que o Bahia
tenha hoje valores na base que possam ser a solução para a equipe principal.
Como diria o outro, errar uma vez é humano, a segunda já é burrice.

A situação do Bahia e a expectativa da torcida hoje são
extremamente claras. A contratação de jogadores de qualidade é condição
imperiosa para que a torcida continue depositando suas fichas e confiança no
mandatário. Um ano já foi perdido e não existe mais margem para erros infantis.
Aliás, não existe mais margem para nenhum tipo de erro. Por mais paradoxal que
possa parecer, a informação de que a diretoria pretende renovar com alguns
jogadores comprovadamente reprovados é desanimadora. Além disso, a contratação
do treinador também não pode ser em outra linha, ou em outro nível.
Infelizmente, até o momento, os nomes especulados também são decepcionantes
(Martellote, Guto Ferreira, Eduardo Batista, etc). Claro que tem razão quem diz
que não adianta técnico bom com jogador ruim. Mas, creio que a recíproca também
é verdadeira.

Obviamente que todos compreendem a realidade financeira do
clube. Entendem que é difícil disputar atletas com agremiações com maior
musculatura financeira. Porém, é obrigação da direção buscar alternativas
dentro e fora do país para driblar a concorrência e fortalecer (reconstruir, na
realidade !) a equipe. Bom, por enquanto, cabe a todos simplesmente aguardar
ansiosamente.

O Desafio de fortalecer o Vitória

Com a conquista da vaga para a série A, O Vitória enfrenta
outro tipo de desafio. Qualificar suficientemente a equipe sem explodir as
finanças do clube. Difícil equilíbrio que sempre apresenta tentações em ambos
os extremos. Por um lado, ser conservador financeiramente e correr o risco de
não reforçar suficientemente a equipe. Por outro, gastar desmaiadamente e
enfrentar problemas de pagamento. Pra falar abertamente sobre o tema e na
linguagem do torcedor: Problema dele, eu quero é time.

O primeiro passo já foi dado por Vovô Mundico. A renovação
de Mancini era a lógica solução para dar continuidade ao trabalho.  O segundo é, obviamente, a manutenção de
jogadores que foram aprovados na disputa da série B (Escudero, Pedro Ken,
Rhayner, os laterais, a dupla de zaga, etc). Ambos os objetivos, desde o
início, não aparentavam grande dificuldade. 
Porém, haja vista a dificuldade encontrada na série B, a concretização
de ambos será totalmente insuficiente para a temporada que se avizinha. Nas
palavras do próprio Mancini, para a disputa da série A, o Vitória necessitará
de jogadores mais decisivos. Desta forma, a competência do departamento de
futebol será posta à prova para encontrar os jogadores certos, para as posições
certas. Erros tão pouco serão perdoados. Um adendo importante pode-se fazer com
relação às  divisões de base. Se a base
continua ganhando títulos e alguns jogadores não são aproveitados no time
principal, então algo está errado. Este é outro importante desafio, é preciso
trabalhar bem as promessas da base para que elas efetivamente ajudem o time.

A hora de provar que o acesso não foi por acaso é agora. O
Vitória precisa demonstrar que quer crescer no cenário nacional e quer ocupar
um lugar na série A de forma duradoura. Corroborando com o que já falei no
passado, é preciso estabelecer, dentro de um horizonte de tempo, o planejamento
necessário para a conquista de algumas competições importantes: Copa do Brasil,
Sul Americana, etc. Não podemos eternamente estar conformados em ser meros coadjuvantes.
A manutenção na série A deve permitir catapultar o time na direção destas
conquistas.

O que temos hoje para as duas equipes são somente esperanças
e promessas. Natural para quem acaba de finalizar uma temporada. No entanto,
cabe a nós torcedores nós perguntar: Onde queremos chegar ? Esta reposta deve
determinar o nível e a direção de nossas cobranças daqui pra frente.

Como diria o filósofo, na vida assim como na guerrilha, todo
mundo é inocente. Os percalços e tropeços são mera fatalidade. São ações e
movimentos necessários para alcançar o “greater good” (o bem maior). No nosso
Brasil, ninguém sabe ou tem culpa de nada.

Saudações do Leão da Barra, Vitória da Bahia (Série A, ói eu
!! rsss), já o vice…


Filba – Torcedor do Vitória e amigo do BLOG

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*