Paulo Carneiro encontra resistência dentro do Bahia

A situação ficou complicada para o presidente Marcelo Guimarães Filho. Disposto a colocar o ex-presidente do Vitória, Paulo Carneiro, como o gestor de futebol do Tricolor, encontrou resistência nas pessoas que estão lhe apoiando e ajudando na formação da equipe administrativa e nos projetos. Uma reunião realizada na sala da presidência no Fazendão contando com as presenças de Davidson Botelho, Wellington Cerqueira, Guilherme Cortizo e Roberto Cavalcanti, além do vice-presidente Gilberto Bastos: em pauta, o veto ao nome de Paulo e Newton Mota.

Os quatros “conselheiros” colocaram Marcelinho na parede, chegando ao ponto de dizer que abandonariam o barco caso o ex-Rubro-Negro esteja realmente contratado. O problema é que Carneiro chegou em Salvador nesta sexta-feira (12) vindo de São Paulo com um pacote de reforços e com o novo treinador da equipe contratados. O grupo insiste que o presidente aguarde negociações com o ex-jogador Branco, recém saído do Fluminense, Paulo Angioni ex-Vasco, Palmeiras e Corinthians, e Paulo Pelaipe do Grêmio. Neste sábado às 10h30, Botelho e Cavalcanti, que quer coesão e credibilidade na diretoria seguem para o Rio de Janeiro, onde terão uma reunião com Branco.
Caboclos do atraso Nem tinha acabado a última garrafa de champagne da comemoração da vitória da última eleição e os caboclos do atraso, agora com novos penachos, já se manifestaram e o presidente, “jovem e antenado”, encontra as primeiras resistências na tentativa de jogar na lata do lixo o amadorismo cafona e foleiro que instalou no velho Bahia. É o conservadorismo, é o torcedor de botequim com status de conselheiro, revivendo conceitos empoeirados e demonstrando logo de cara de como será difícil mudar a mentalidade do Bahia. Uma consulta pública, um enquete no site oficial, sobre a contratação ou não do rubro-negro Paulo Carneiro, seria uma ótima oportunidade para o “jovem e antenado” presidente do Bahia se aproximar da torcida tricolor e sinalizar, de forma clara e decisiva, que nesta gestão a torcida tricolor não servirá apenas para pagar ingresso e cair em buraco, mas também para decidir, ainda que de forma tímida, o melhor caminho para clube. 16:00hs – Marcelo ignora pressão e confirma Carneiro
O presidente do Bahia, Marcelo Guimarães Filho, não deu muita importância para a pressão feita pelo grupo liderado pelo advogado e conselheiro do clube, Wellington Cerqueira, que é contra o acordo com Paulo Carneiro. Muito influenciado pelo seu assessor mais próximo, Gilberto Bastos, grande defensor, articulador e entusiasta da contratação do ex-presidente do Vitória, Marcelinho já confirmou internamente a chegada de Carneiro ao Tricolor, mostrando a força de Bastos, que venceu a quebra de braço com Wellington. Paulo Carneiro chegou a Salvador nesta sexta-feira (12) de São Paulo às 17 horas trazendo na bagagem, nada menos, que a contratação de 10 jogadores, entre eles o ex-ídolo do Leão, o sérvio Dejan Petkovic. ( Éder Ferrari do Bahia Noticia) Ganha força o nome de Gallo como treinador do Bahia

Alexandre Gallo pode ser o próximo treinador do Bahia. O ex-jogador conversou por telefone com o presidente Marcelo Guimarães Filho, embora ainda não tenha acertado a vinda para Salvador.

Gallo mora em Santos e admitiu ter sido procurado por uma pessoa do Bahia, mas não disse quem foi o interlocutor. Disse que recebeu uma proposta. Mas não poderia dar detalhes.

Gallo se encaixa no perfil pretendido pela diretoria. “Um treinador jovem, antenado com o mercado do futebol” disse Marcelo Guimarães Filho, logo depois de ser eleito. Ex-jogador, Gallo tem 41 anos e é paulista de Ribeirão Preto, assim como Wagner Mancini, hoje no Vitória. Afinado com a tecnologia, mantém um site atualizado com noticias e a classificação de campeonato nacionais ao redor do mundo.

O último clube treinado por Gallo foi o Atlético Mineiro, no Campeoanto Brasileiro desde ano. No Atlético, resistiu durante 13 rodadas e foi demitido após a goleada por 6 x 1 para o Vasco em São Januário.

Antes, Galo tinha comandado o Figueirense, nas duas primeiras rodadas do Brasileirão de 2008. No clube catarinense, foi campeão estadual. No ano passado, treinou também o Internacional, onde ganhou a Recopa Sul Americana, e o Sport campeão pernambucano.

O treinador Wagner Benazzi também foi procurado. Não pessoalmente, mas através de um empresário com base no Paraná, de prenome Geovani. Perdeu força por dois motivos: não se encaixa no perfil “jovem e antenado” pretendido pela diretoria e o último clube dirigido por ele, a Portuguesa foi rebaixado para a série B.

Marcelo Guimarães não é o presidente mais jovem do Bahia

O correio errou, na edição de ontem ao informar que Marcelo Guimarães Filho é o presidente mais jovem da história do clube, aos 32 anos. Waldemar Costa, o primeiro presidente assumiu o tricolor com 27 anos. Waldemar foi também o campeão mais jovem da história, ao vencer o Torneio inicio de 1931.

Contratações

Já com relação aos jogadores que podem ser apresentados, além da negociação com Ramon, a diretoria já teria fechado com dois goleiros. “Eles são da Série A. Um foi titular e o outro reserva”, comentou Guimarães Filho sem querer dar os nomes.

O dinheiro para tantos investimentos pode vir de um novo patrocínio para o clube. O primeiro contato foi feito com o Banco do Nordeste. Pensando utilizar a força da torcida do Bahia, Marcelo Guimarães quer ouvir outras propostas. “Queremos buscar algo parecido com o do Vasco, que conseguiu R$ 14 milhões da Eletrobrás. “Vamos atrás de uma estatal e utilizar o prestígio como deputado”, revelou. Com informações Éder Ferrari do Bahia Noticia/Herbem Gramacho do Correio/ Raphael Carneiro da Tribuna da Bahia

Deixe seu comentário!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*