Bahia contrata meia reserva do Vasco

Os ingredientes estão aí, se o Bahia não conseguir formar time competitivo, ao menos terá o suficiente para uma boa moqueca. Tem novo “peixe” na área, o quarto de uma linhagem de legítimos vascaínos, formados na base do clube carioca, parceiros do artilheiro Romário. O meia Rafael consolida a rota São Januário-Fazendão, caminho pavimentado com as chegadas de Anderson Costa, Bruno Meneghel e Thiago Maciel.

O goleiro Fabiano passou por lá em 2006. É o Vasco B ganhando corpo na segundona do Brasileiro. Certo, o centroavante já bateu em retirada, mas o crescente número de atletas e ex-atletas da equipe da colônia portuguesa no tricolor é, no mínimo, incomum. Nenhum outro time cedeu tantos reforços ao Bahia este ano, na reedição às avessas de uma política que sempre abasteceu os treinadores contratados por Eurico Miranda.

A lista conta com Clébson, Ernane e Elias, só para ficar nos exemplos recentes. Mas o que deixa o torcedor desconfiado é a completa inexpressão de quem chega. Aos 24 anos, Rafael até disputou algumas partidas com a camisa cruzmaltina em 2008; nada que mereça destaque. Revelado na base do Olaria-RJ, o armador permaneceu no Vasco desde 2003. O desembarque estava previsto para a noite de ontem e o contrato se estende até o dia 30 de dezembro. Bahia tem que vencer neste sábado
Crise. Para os dicionários, a palavra pode ter mais de 13 definições, como fase difícil, ação dramática de uma catástrofe, Tensão ou conflito. Mas, para os tricolores, a definição pode ser mais simples: tropeçar diante do Barueri, logo mais. A ação dos torcedores mais exigentes pode até ser exagerada, pelo fato de ainda ser o início do certame. Entretanto, ninguém do Esquadrão de Aço quer ver isso acontecer.

Vale tudo para vencer os paulistas, pela primeira vez na Série B diante de sua torcida. Até apelar para os deuses. Nesta sexta-feira, independentemente de sua religião, os atletas receberam fluidos religiosos para entrarem abençoados e protegidos dentro de campo. Uma missa foi celebrada na capela do clube.

Além da fé, o Bahia também aguarda seu salvador da paz no Fazendão. Galvão deverá carregar a cruz do limitado ataque tricolor, tentando enfim levar mais alegria e gols no setor. “É o momento de entrar em campo. Precisamos de todos para vencermos. O tempo que estiver em campo estarei fazendo de tudo para ajudar a equipe”, pregou o atacante que estréia neste sábado.

O salvador também vai precisar de entrosamento com seu companheiro no ataque. Galvão acha que qualquer um pode entrar e ser o milagreiro com ele. “Problema de entrosamento sempre vai ter, pelo fato de jogarmos juntos pela primeira vez. Mas tem que ser superado. Falamos português e sabemos jogar futebol. Qual a dificuldade nisso?” brincou Galvão.

Seu companheiro de ataque também concorda que é questão de tempo para ambos entrosarem logo mais. ”Jogamos na frente e eu sou destro, enquanto ele é canhoto. Qual a dificuldade nisso? Caso o técnico decida nos colocar, vamos jogar para vencer a partida”, disse Bruno Cazarine. No último treino antes do duelo da reabilitação, o comandante Paulo Comelli decidiu conversar com alguns setores separados, tentando dar injeção de ânimo e tentar apagar alguns problemas emocionais. ”Temos que ter cautela. Vamos superar estas dificuldades, mas não podemos crucificar os jogadores assim. Temos que ter vontade garra e determinação. Mas nada disso vai adiantar se não tivermos o apoio da torcida”, decretou o técnico.

Sobre Galvão, Comelli pede para terem paciência. “Galvão pode não arrebentar como todos esperam, mas não pode ser cobrado depois. Ele ainda precisa de tempo para se adaptar com os demais colegas”, finalizou.

O outro – Não é apenas Galvão que vai vestir a camisa do Bahia pela primeira vez. Luciano Ferreira, mais conhecido como Totó, terá sua chance no meio-campo. O volante aguarda ansioso sua estréia, mas lamenta não ser na Fonte Nova.

“Graças a Deus estou treinando bem e me sinto pronto e bem fisicamente. Já deu pra pegar como a equipe joga e estarei entrosado com eles. Só lamente não ver a torcida em peso na Fonte Nova. Joguei uma vez lá defendendo o Náutico e fiquei impressionado com a fidelidade dos torcedores”, lamentou Totó, que substitui Rivaldo, suspenso.

A surpresa ficou por conta da ausência de Juca, único atacante a fazer gol na Série B. o atleta nem foi relacionado. Resultados da série B de sexta-feira
São Caetano 1 x 0 Vila Nova CRB 1 x 0 Criciúma Juventude 2 x 0 Marília Como estes resultados o Bahia passou a ocupar a 16º colocação

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*