Itabuna investe em reforços e Conquista em motivação financeira

Os jogadores do Vitória da Conquista já têm a primeira contrapartida pela excelente campanha no Campeonato Baiano. A vice-liderança na fase classificatória com 48 pontos, dois atrás do Bahia e seis à frente do Vitória, valeu prêmio de R$60 mil para ser rateado entre o elenco esta semana, proporcional à quantidade de partidas disputadas.

“É um investimento alto, mas vale, principalmente porque a torcida também tem colaborado”, compartilha o presidente do clube, Ederlane Amorim – a estrutura total, por exemplo, custa R$100 mil/mês. No estadual, o clube tem a melhor média de público e está em segundo na média de renda, quando inverte posição com o Vitória: 7.518 e 5.238 pagantes, e R$49.607,73 e R$54.470,55, respectivamente.

A trajetória despertou a atenção de empresários de atletas. “Proposta oficial de outro clube ainda não houve”, miniminiza. A meta, independente do desfecho no quadrangular, é manter a base para a Série C. A própria notícia da Série D transformou em obsessão a idéia de chegar entre os 16 da terceirinha, pois daria classificação automática e evitaria a disputa da quarta divisão. Planejado, o Vitória da Conquista não tem qualquer jogador expirando contrato ao final do Baiano. “Para desfazer a base, a proposta tem que ser boa e nos permitir investir no (futuro) centro de treinamento”.

Itabuna investe em reforços para o quadrangularA pressa do Itabuna é justificada: as inscrições para o quadrangular do Campeonato Baiano expiram na quinta-feira. O volante Sandro, campeão baiano de 2006 pelo Colo-Colo, foi o primeiro reforço. Deixou o Asa-AL devido a convite de José Ferreira, treinador no inédito título.

A diretoria busca fortalecer o elenco para tentar, pelo menos, vaga na Copa do Brasil, direito de campeão e vice. Continuam as negociações com la-teral-direito do futebol mineiro e meia do futebol sergipano. “Tivemos boas partidas contra os adversários do G-4 e o campeonato está zerado”, diz, otimista, o presidente Ricardo Xavier. No confronto direto, empates com Bahia, triunfo e derrota para Vitória e empate e derrota, esta com os reservas, para o Vitória da Conquista.

O planejamento do clube previa duas hipóteses. Vaga na Série D ou vaga na Série C com ida ao quadrangular, o que aconteceu. Até sexta-feira, a diretoria anunciará o prêmio em caso de título, afinal depende da busca de patrocínios exclusivos para a fase decisiva. Entre os contatos, a Bitway, tradicional parceira do Colo-Colo, rival histórico.

“Esta possibilidade de Série D, em 2009, acionou o alerta. Caso se confirme, vamos ter que aumentar os investimentos para a Série C”, acrescenta Ricardo Xavier, esperançoso de manter o Itabuna em atividade durante o segundo semestre em competições nacionais.

Na parte técnica, os titulares mantêm foco no quadrangular desde sexta-feira. Dois coletivos devem acontecer esta semana e um observador deverá assistir Vitória x Paraná, pela Copa do Brasil. Será a única chance de ver Vágner Mancini usando os titulares.

“O mais importante no quadrangular é começar ganhando, na frente”, admite José Ferreira, recordando as disputas na terceirinha nas últimas duas temporadas, entre Colo-Colo, Vitória e Confiança, além do estadual anterior, pelo Atlético. “No Atlético, perdemos ponto em casa e foi impossível recupe-rar. Não se pode repetir o erro”, exclama. Souza desperta interesse de time coreano
O atacante Souza dono da camisa 11 do Fluminense de Feira e artilheiro do Campeonato Baiano 2008 com 14 gols, está com os dias contados na equipe.

Um time Coreano ofereceu R$172 mil até o final do ano e caso tenha interesse no jogador pagará R$ 1 milhão de reais. Quem também está tentando tirar o atacante do tricolor é o Coritiba que ofereceu R$ 800 mil.

Segundo o empresário Jodilton Souza, um dos parceiros do Fluminense, o jogador vem sendo sondado também por times nacionais, como o Ipatinga/MG, Figueirense/SC e Português/SP há aproximadamente 30 dias. Em 2006 depois que disputou o Intermunicipal, considerado o maior campeonato amador do Brasil, pela seleção de Feira de Santana, veio para o Fluminense onde formou a dupla de ataque com Nino que hoje está no Sport/PE.

Souza que está com 26 anos, diz que o momento é de tranqüilidade. “Apesar do time não está fazendo uma boa campanha no Campeonato Baiano, Deus está me ajudando a fazer os gols. Estou com os pés no chão e o momento é de tranqüilidade”, disse o atacante.

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*