Administração do Bahia: Fato ou propaganda enganosa?

O conselho Deliberativo do Bahia autorizou ontem à noite ao clube a solicitar um empréstimo de até 17 milhões de reais. A reunião foi realizada na Arena Fonte Nova. Na votação, 42 conselheiros foram favoráveis, enquanto 6 disseram sim com algum tipo de ressalvas e outros 24 disseram não, e assim, por maioria de voto a autorização foi consentida. Em tese, o empréstimo só será efetivado/utilizado numa eventualidade. Mas será que já gastou os 40 milhões recebido do Canal Esporte Inteiro?

Antes de chegar neste estágio, o tema, digo, a administração milagreira do tricolor foi demasiadamente discutido aqui. Sendo que os amigos de Itinga se vangloriaram e se orgulharam de agora ter uma direção que estava pagando dívidas e saneando o clube, lançando os alicerces para seu crescimento futuro e, consequentemente, para a conquista de títulos.

Chamou a atenção a incongruência de priorizar a parte financeira e administrativa, enquanto a razão de ser do clube, o futebol, ia caindo pelas tabelas. Após o 9o lugar na Serie B de 2015 e do acesso no ano seguinte com muitos “aflitos” (oia !), o clube entrou em 2017 da mesma maneira. Ou seja, sem time qualificado para disputar as principais competições do ano e na primeira vez que foi chamado para responsabilidade fracassou quando perdeu para o Paraná Clube por 2 x 0, derrota dupla, já que veio também acarretar em um prejuízo financeiro incalculável, afinal, evitou dois BA-VI em uma competição nacional onde apelo e ganhos são multiplicados.

Mais uma vez, a esperança de toda a torcida das Pititingas (fora os corneteiros. Também conhecidos como torcedores conscientes !) era de que este calvário era o preço a pagar pelo saneamento do clube, pela tão sonhada estrutura e profissionalização que permitiria ao mesmo, no futuro (quando ? ririri), se colocar como uma força no futebol nacional. Porém, parece que esta teoria e esta ilusão estão com as pernas curtas.

As notícias que sairam na imprensa nos últimos dias apontam que MS já gastou os 40 milhões do EI. Entre contratações, pagamentos de dívidas e outras despesas, o dinheiro bateu asas e voou (oia !). Somente com a diretoria de Marketing e Mercado o clube gastou 3,5 milhões em 2016 sem um resultado que justificasse este gasto.

No próximo mês, a construtora MRV e a TIM deixarão de patrocinar o clube e para completar o “estresse hídrico” (oia !) nas finanças do clube, Daí se justifica o pedido de autorização para contratar um empréstimo de 17 milhões aprovado nesta terça-feira. Claro, eles dizem que não e acenam que o déficit de 17 milhões estava previsto ainda assim, alegam que só será usado em uma eventualidade.

Mas, parece que o mito da competência administrativa vai se esvaindo e o esforço em não ter equipe qualificada nos últimos anos foi em vão. Isto nos impõe uma constatação simples. Não existe milagre, existe sim propaganda enganosa e gente que gosta daquela frase: “Me engana que eu gosto”.

VOVO-Mundico – Vitória, amigo e colaborador do BLOG