Após acesso, diretor do Bahia diz estar com a ‘cabeça tranquila’ e explica trocas de técnicos

O Bahia iniciou a Série B com Guto Ferreira, que ficou 14 jogos.

Foto: Reprodução / Segue o BAba

Nesta quarta-feira, o diretor de futebol do Esporte Clube Bahia, Eduardo Freeland, concedeu entrevista ao “Segue o BAba”, do GE, e fez uma avaliação da temporada 2022, em que o Tricolor foi eliminado na primeira fase da Copa do Nordeste e Campeonato Baiano. O dirigente explicou as duas trocas de treinadores e admitiu que o time teve um “nível de oscilação” que não era esperado. Porém, afirmou que está com a cabeça tranquila pela conquista do acesso, a segunda seguida na carreira (em 2021 subiu com o Botafogo).

 

“Estou com cabeça tranquila, porque o objetivo era entregar o Bahia na Série A. A gente, hoje, faz uma análise que o nível de oscilação do segundo turno foi maior do que imaginávamos, que foge do controle. A gente avaliou que a permanência do Guto [Ferreira] levaria a sair do G-4. Depois, com Enderson [Moreira], a permanência do Enderson pós-Chapecoense levaria a gente a sair do G-4. [A troca a seis jogos do fim da Série B] É incomum, demanda uma coragem grande. E eu assumo a responsabilidade. Mas a gente não queria correr risco. Analisando de trás para frente, futebol não é linear, são muitas coisas que acontecem”, afirma.

Mesmo com as eliminações precoces na Copa do Nordeste e Campeonato Baiano, o Bahia iniciou a Série B com Guto Ferreira, que ficou 14 jogos e teve um aproveitamento de 59,5% de aproveitamento. Acabou demitido após três derrotas seguidas na Arena Fonte Nova, duas pela Série B (Chapecoense e Novorizontino) e a outra pelas oitavas de final da Copa do Brasil (Athletico-PR). Após a queda de Guto, Enderson Moreira foi contratado, mas não conseguiu fazer o time jogar. Foram 18 jogos, com 50% de aproveitamento, sendo demitido após derrota para a Chapecoense por 3 a 1 na Arena Condá. Restando seis jogos para o término da Segundona, o Bahia decidiu trazer Eduardo Barroca para um “tiro curto”, somando 2 triunfos e 4 empates, conquistando o acesso na última rodada, com 55,5% de aproveitamento.

Autor(a)

Fellipe Costa

Administrador e colunista do site Futebol Bahiano. Contato: [email protected]

Deixe seu comentário