Sócios do Bahia irão votar proposta do Grupo City no dia 10 de dezembro

O Conselho Deliberativo do clube ainda fará novo encontro, no dia 17 de novembro.

Foto: Divulgação/EC Bahia

Na noite desta quinta-feira (03) o Conselho Deliberativo do Esporte Clube Bahia aprovou as alterações no estatuto do clube para adequação à lei da Sociedade Anônima do Futebol (SAF) e apresentou em audiência pública os pareceres das comissões Jurídica e Provisória, onde ficou entendido que não existe nenhuma irregularidade no contrato assinado entre Bahia e Grupo City. Além disso, ficou definido a data da Assembleia Geral para os sócios votarem a proposta de SAF do Grupo City. Será no dia 10 de dezembro. O encontro na Arena Fonte Nova contou com participação da diretoria executiva e foi transmitido pelo canal oficial do tricolor no YouTube.

 

A Comissão Provisória da SAF também apresentou parecer favorável porque os termos apresentados para o negócio representam um equilíbrio contratual e um projeto com potencial de alavancar o desempenho esportivo do Bahia. O Conselho Deliberativo informou que ainda fará quatro reuniões para discussão da proposta, sendo que duas terão a presença da diretoria executiva e do jurídico externo do clube.

Nesta sexta-feira, haverá um encontro entre grupos de lideranças. Em seguida, no dia 11 de novembro, as comissões Jurídica e Provisória irão apresentar formalmente seus pareceres. Até a data da votação, o Bahia seguirá tirando todas as dúvidas dos torcedores sobre a proposta da SAF do Grupo City. No dia 17 de novembro, o Conselho Deliberativo vai realizar um novo encontro com a Diretoria Executiva e com o jurídico externo. No dia 26, os sócios poderão aprovar as alterações estatutárias desta quinta, durante Assembleia. Por fim, no dia 29, o Conselho vai entregar o parecer final.

O conglomerado vai desembolsar um aporte de R$ 1 bilhão pela aquisição de 90% da SAF do Bahia. A associação civil permaneceria na sociedade com participação minoritária, por meio de seus 10%. Desse valor, R$ 500 milhões serão destinados para a compra de jogadores, R$ 300 milhões para o pagamento de dívidas, e R$ 200 milhões para infraestrutura, categorias de base, capital de giro, entre outros.

Autor(a)

Fellipe Costa

Administrador e colunista do site Futebol Bahiano. Contato: futebolbahiano2007@gmail.com

Deixe seu comentário