Presidente do Atlético revela que Bahia pediu valor exorbitante por Zé Rafael

Zé Rafael assinou com o Palmeiras por 5 temporadas

Em entrevista à Rádio Itatiaia de Minas Gerais, ontem à noite (5), o presidente Sérgio Sette Câmara, do Clube Atlético Mineiro, admitiu que o clube enfrenta dificuldades para reforçar o Galo para a temporada 2019. Segundo o dirigente, o Palmeiras até então, tem sido o grande problema para o avanço das transações.

O time paulista, atual campeão brasileiro, com o suporte da financeira Crefisa levou vantagem em dois jogadores de interesse do time mineiro: Zé Rafael e Arthur, destaques no Bahia e Ceará, respectivamente. Ambos fecharam com o clube paulista, frustrando as expectativas do dirigente mineiro.

“Estivemos perto de contratar o Arthur, do Ceará. Achei que seria interessante. O Palmeiras foi lá e contratou. A gente também olhou o Zé Rafael. Eu tinha vontade de trazer. Quando fui tentar contratar, o Bahia pediu um valor exorbitante, porém aceito pelo Palmeiras. Tentamos negociar, mas falaram que o Palmeiras tinha oferecido o nosso valor mais x e o desejo morreu no nascedouro”, disse.

O Palmeiras pagou R$ 17,5 milhões por Zé Rafael (14,5 milhões ao Bahia e 3 mi ao Coritiba) por 100% dos direitos do jogador que pertencia à Bahia (70%) e Coritiba (30%). Já Arthur Cabral, de 20 anos, custou ao Verdão R$ 5 milhões por 50% dos direitos econômicos.



Veja também

Deixe seu comentário