Bahia faz acordo e quita dívida de R$ 21 milhões com a BWA, revela Bellintani

desde 2019, o Esquadrão vinha tendo 10% de suas receitas retida para ser destinada ao processo.

Foto: Felipe Oliveira/ECB

Em entrevista na noite desta sexta-feira (20), na zona mista da Arena Fonte Nova, após o triunfo por 2 a 1 sobre a Ponte Preta, pela oitava rodada da Série B, o presidente do Esporte Clube Bahia, Guilherme Bellintani, revelou que o clube fez um acordo para quitar sua dívida de R$ 21 milhões com a empresa BWA. Ainda segundo o mandatário, desde 2019, o Esquadrão vinha tendo 10% de suas receitas retida para ser destinada ao processo. O valor foi alcançado e continuaria juntando, mas o Tricolor chegou a um entendimento para quitar completamente o débito de gestões anteriores.

 

“[Isso aconteceu] por causa de uma confissão de dívida assinada em 2011, pelo antigo presidente do clube. Resultou em um processo de mais de R$ 20 milhões. Tivemos R$ 21 milhões retidos desde 2019 até a semana passada. Poderia se continuar juntando, mas realizamos um acordo e quitamos completamente a dívida com a BWA”, disse o presidente. 

Recentemente, o Bahia sofreu um bloqueio de R$ 8 milhões por conta de dívidas trabalhistas. Bellintani também falou sobre o assunto e afirmou que conseguiu reajustar a parcela para um valor mais adequado a realidade do clube.

“Fizemos um acordo em 2020 em que conseguimos cumprir integralmente até setembro de 2021. No final do ano, com a queda do número de sócios, protocolamos um pedido na Justiça do Trabalho, requerendo a ativação de uma das cláusulas. Em caso de queda de receita, o Bahia tem o direito de rever o valor a ser pago, sentar para negociar. Desde outubro, dezembro novamente, fevereiro novamente, e essa audiência não foi marcada”, disse e completou:

“Agora, conseguimos marcar e repactuamos a parcela, justamente como previa o acordo anterior. Saiu de R$ 450 mil para R$ 150 mil, muito mais adequado à realidade do clube. Além disso, deixamos para pagamento do passado até aqui o prêmio pela passagem de fase na Copa do Brasil. Foi um acordo muito bom para o clube, se adapta à realidade da Série B. Não vemos esses credores como adversários. São pessoas que prestaram serviços e devem receber por isso, mas da forma que o clube pode pagar. Já pagamos mais de R$ 40 milhões pré-2013”, explicou Bellintani.

 

Deixe seu comentário!