Rossi se aproxima de retorno no Bahia; Marcelo Cirino segue sem previsão

A última partida de Cirino ocorreu em novembro do ano passado

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

Contratado para reforçar o sistema ofensivo nessa reta final do Campeonato Brasileiro da Série A, o atacante Marcelo Cirino ainda não estreou pelo Esporte Clube Bahia. O jogador dá sequência ao trabalho de transição no CT Evaristo de Macedo e ainda não tem previsão de quando poderá retornar aos gramados. Vale lembrar que só faltam nove rodadas para o término do Campeonato Brasileiro da Série A. A última partida de Cirino ocorreu em novembro do ano passado, pelo Chongqing Dangdai-CHI. No início de 2021, ele passou por uma cirurgia de ligamento cruzado do joelho.

 

Já o atacante Rossi, que fazia companhia a Cirino na transição, já voltou a treinar normalmente na última quinta-feira e se aproxima do retorno. Ele chegou no Bahia no início de 2020 após boa passagem pelo Vasco da Gama. Até aqui, entrou em campo 88 vezes e marcou 12 gols, além de ter dado 12 assistências. A última vez que entrou em campo foi no dia 4 de setembro, no triunfo por 4 a 2 do Bahia sobre o Fortaleza, no Estádio de Pituaçu, com quatro gols de Rodallega. Existe a chance dele ser relacionado para o jogo contra o São Paulo, no próximo domingo, às 18h15, na Arena Fonte Nova.

Natural de Maringá (PR), Marcelo Cirino da Silva surgiu nas divisões de base do Atlético Paranaense e fez sua estreia profissional em 2019, porém, teve poucas chances no time principal e acabou emprestado em 2011 ao Vitória, onde disputou 15 jogos e marcou um gol. Retornou ao Furacão em 2012 e desta vez não somente se firmou como titular, como foi destaque por três temporadas, até ser contratado pelo Flamengo com ajuda de um grupo de investidores da Doyen Group.

Ficou duas temporadas no clube carioca e depois foi emprestado a Internacional (2017) e Al-Nasr (2018). Não demorou muito nos Emirados Árabes Unidos e no mesmo ano acertou seu retorno ao Athletico-PR, vivendo seu melhor momento na carreira e sendo peça importante nas conquistas da Copa Sul-Americana (2018) e Copa do Brasil (2019). Em 2020, foi negociado com o Chongqing Dangdai, da China, mas solicitou a rescisão na FIFA por conta dos salários atrasados e ficou livre no mercado.

Autor(a)

Fellipe Costa

Administrador e colunista do site Futebol Bahiano. Contato: [email protected]

Deixe seu comentário