Cerri desconversa sobre negociação do Bahia por volante do Cruzeiro

Bahia teria oferecido o meia Régis em troca pelo volante Éderson

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia / Divulgação

Nesta terça-feira (21), em entrevista ao site Globoesporte, o diretor de futebol do Esporte Clube Bahia, Diego Cerri falou sobre diversos assuntos, como o assédio ao atacante Gilberto, sondagem do Atlético-MG ao goleiro Douglas, e também comentou em relação a informação que surgiu na imprensa, dando conta de que o Esquadrão estaria negociando com o Cruzeiro a contratação do volante Éderson e teria oferecido o meia Régis como moeda de troca. Questionado se o Tricolor tem interesse no jovem atleta, o dirigente desconversou citando que o clube mineiro “tem vários atletas de qualidade”. Não negou uma negociação, porém, garantiu que a reunião o encontro entre o presidente Guilherme Bellintani e a direção do Cruzeiro não foi para tratar de assuntos relacionados ao jogador de 20 anos.

 

“É um bom jogador, jovem. Mas o Cruzeiro tem vários atletas de qualidade. A gente sempre tem que estar atento ao mercado, mas por enquanto não tem nada de concreto. Não teve reunião sobre o Ederson. Foram outros assuntos que não foram relativos ao atleta diretamente. Foi muito mais uma reunião de gestão e não tem nada de concreto.”, disse.

De acordo com o portal Superesportes, o diretor de futebol do clube, Ocimar Bolicenho, confirmou a proposta do Esquadrão, em conversa informal com os jornalistas na tarde desta terça-feira, na Toca da Raposa II. O Tricolor propôs envolver o meia Régis no negócio e o clube celeste estuda o nome do jogador. A intenção do Bahia é ter Éderson por empréstimo até o fim da temporada pagando a totalidade do salário, com valor fixado para compra. O Cruzeiro tem 60% dos direitos econômicos do jovem atleta, que custou R$ 1,25 milhão, pago ao Desportivo Brasil, de São Paulo, e vínculo válido até agosto de 2023.

Éderson não comparece aos treinos no Cruzeiro desde 9 de janeiro, já que move uma ação na justiça contra o clube mineiro, pedindo rescisão indireta de contrato e cobrando multa de mais de R$ 2,6 milhões, por causa de atrasos em salários, direitos de imagem, férias, 13º e Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). No processo, ele usa inclusive uma “carta de intenção” do Bahia em tê-lo no elenco. Nesta terça-feira, o agente de Éderson, César Gody, é esperado na sede administrativa do Cruzeiro justamente para uma nova reunião. O objetivo é de chegar a um acordo para que o processo seja finalizado e o jogador possa voltar a atuar – possivelmente no Bahia.

 

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*