Zé Ricardo é apresentado no Inter e quer equipe ofensiva contra o Bahia

"temos que ser um time agressivo, que queira vencer as partidas"

Foto: Eduardo Deconto

Anunciado na segunda-feira como novo técnico do Internacional, Zé Ricardo foi apresentado na tarde desta terça-feira. Ele chega com um contrato curto até dezembro. Antes dele, o Colorado tentou Roger Machado, Tiago Nunes e até Vanderlei Luxemburgo, todos sem sucesso já que estão empregados e preferiram ficar nos seus clubes. Zé Ricardo recentemente comandou o time do Fortaleza, uma passagem rápida que terminou com uma demissão após 7 jogos comandando o time cearense, sendo que a gota d´agua foi a goleada por 4 a 1 para o Athletico-PR na Arena da Baixada. Foram quatro derrotas, dois empates e apenas um triunfo.

 

Zé Ricardo revelou na primeira entrevista coletiva como técnico do Inter que quer uma equipe ofensiva nos 11 jogos que irá comandar o time no clube no Campeonato Brasileiro, a começar pelo jogo contra o Esporte Clube Bahia, sábado, às 19h, na Arena Fonte Nova. Apesar de garantir que não irá alterar profundamente a forma como o Colorado joga, o treinador promete recuperar a parte mental dos jogadores e fazer pequenas alterações para lutar pela vaga na Libertadores.

“Pela pontuação que queremos, temos que buscar pontos dentro e fora de casa. São seis jogos fora e cinco no Beira-Rio. Então, temos que ser um time agressivo, que queira vencer as partidas, mas, lógico, com muita organização. Às vezes, determinadas partidas necessitam mais cuidados em alguns setores ou um comportamento diferente, mas, de uma forma geral, vamos sempre buscar os gols”, destacou.

O profissional destacou ainda que, independente da formação tática que o time irá jogar, é preciso ser ofensivo para buscar o objetivo. “Precisamos ter um comportamento agressivo. Gostar de ficar com a bola. Porém, em alguns momentos, vamos ter que jogar de acordo com o nosso adversário. Atuar como a situação exige. Precisamos ser efetivos e ganhar jogos”, afirmou.

Zé ainda fez questão de destacar o excelente trabalho feito por Odair Hellmann no Inter. “Não queremos nenhuma mudança de forma radical, o que tem um risco muito grande. Queremos aproveitar o que o Inter tem de bom, potencializar nossos atletas, que são de alto nível, para que possamos, lógico, com as particularidades do trabalho que vamos desenvolver, chegar na vaga para a Libertadores”, declarou.

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*