Bellintani justifica porque não contratou reforços para as laterais

"É uma das posições mais difíceis no mercado brasileiro e sul-americano", disse.

Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia

Um dos questionamentos feitos ao presidente Guilherme Bellintani, na sabatina realizada recentemente no Sócio Digital, foi o fato dele não ter reforçado as laterais do Esporte Clube Bahia, setores bastantes contestados durante toda a temporada, e com opções apenas de Nino Paraíba e Renan Guedes na direita, Juninho Capixaba e Matheus Bahia na esquerda. O mandatário afirmou que clube fez a busca dentro do Brasil e nos países sul-americanos, e pontuou que dentro das condições que o Esquadrão poderia pagar, não encontrou bom nome.

 

“Nós fizemos contratações em várias posições. Especificamente, nas laterais, tínhamos aguardo da evolução de Matheus Bahia. Em determinado momento, procuramos arduamente lateral-esquerdo. É uma das posições mais difíceis no mercado brasileiro e sul-americano. A gente não teve negociação interna de lateral-esquerdo de forma significativa. Procuramos. Tinha uma época que tinha uma proposta para Matheus Bahia, achávamos que seria vendido, (além do Juninho) Capixaba em má fase”, disse o mandatário do Esquadrão.

“Mas não encontramos alguém que valesse a pena. Nino, para que a gente trouxesse alguém que colocasse ele no banco, precisaria de um investimento que não tínhamos condição de fazer. Entendemos que não valia a pena. São duas posições que a gente poderia ter investido na contratação. Não fechamos os olhos. Mas são duas posições muito difíceis”, argumentou.

 

Deixe seu comentário!

1 Trackback / Pingback

  1. Confiança desiste de disputar o Nordestão Sub-20 e prega foco total na Série B

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*