Era pós-Paulo Carneiro: Conselheiros do Vitória abordam alívio com afastamento de presidente

conselheiros, sócios e ex-dirigentes comentaram o afastamento do presidente

O Esporte Clube Vitória está sem presidente oficial há quatro dias. A decisão se deu após a reunião extraordinária realizada por conselheiros na última quinta-feira (2), no Estádio Manoel Barradas (Barradão). Apenas membros do Conselho de Ética estiveram ausentes do encontro, por abstinência da votação. Como resultado, Paulo Carneiro ficará afastado por dois meses devido a denúncias de gestão temerária pelo Conselho de Ética do clube.

 

Nesse sentido, em entrevista ao site Arena Rubro-Negra, conselheiros, sócios e ex-dirigentes comentaram o caso. O ex-presidente Agenor Gordilho Filho, um dos conselheiros da agremiação, avalia como ‘necessário’ o processo de finalização da ‘instabilidade’ instaurada pelo mandatário.

“Se fazia necessário. O presidente atual não passou segurança para a torcida. As transações não foram transparentes, como devem ser, os conselhos Fiscal e Deliberativo não estiveram ao lado, como deve ser, e chegou em um ponto onde os conselheiros começaram a abandonar seus cargos. A gente precisa colocar um fim nessa instabilidade, eleger uma gestão que deixe a política de fora e fazer do Vitória o clube de paz e de alegria que é o que a torcida deseja”, afirmou.

Necessidade de mudança no estatuto do Vitória

Por outro lado, Rodolfo Mendonça, conselheiro e membro da Frente Vitória Popular, aproveitou para comentar sobre a urgência de uma modificação no estatuto do Vitória por meio da realização de uma Assembleia Geral Extraordinária.

“A Frente Popular foi unânime a favor do afastamento. Claro que defendemos o direito à defesa e aguardamos a AGE para os sócios decidirem se a destituição será efetuada. Mas a sedação da torcida hoje foi de quem venceu um ba x vi, muita gente com a camisa do clube na rua. Passado o furacão resta agora medir os prejuízos deixados, unir a torcida e reconstruir o clube. Defendemos que os ritos sejam cumpridos e uma AGE para reformar o estatuto seja realizada o quanto antes, para que a próxima gestão já seja eleita sob égide de um estatuto que dê mais transparência ao clube, impedido que os mal intencionados dilapidem nosso patrimônio”, explicou.

Por fim, o Leão da Barra agora tem o comando do vice-presidente Luiz Henrique. A princípio, Paulo Carneiro ficará inapto por 60 dias. No final desses dois meses, o Conselho Deliberativo aplicará uma votação para certificar se o presidente retoma o cargo ou se será convocada uma AGE para votação dos sócios.

Autor(a)

Pedro Moraes

Jornalista, formado pela Universidade Salvador (Unifacs). Possui passagens em vários ramos da comunicação, com destaques para impresso, sites e agências de Salvador e São Paulo. Contato: pedrohmoraessjorn@gmail.com

Deixe seu comentário