Futebol do Nordeste passa pelo melhor momento dos últimos anos

Clubes da região tiveram o melhor início de Brasileirão da história no formato de pontos corridos

Foto: Thiago Gadelha/SVM

O futebol nordestino está vivendo seu melhor momento dos últimos anos. Neste momento, clubes do Nordeste ocupam 11 das 26 posições de mais destaque dos principais campeonatos nacionais. Nessa conta entram o Fortaleza e o Bahia, que estão no G6 do Campeonato Brasileiro, além de seis clubes nas oitavas de final da Copa do Brasil e um liderando o Campeonato Brasileiro da Série B (Náutico) e ainda invicto em 11 jogos, sendo que Sampaio Corrêa e CRB brigam na parte de cima.

O início do Brasileirão deste ano foi o melhor para os clubes nordestinos desde a implantação do formato de pontos corridos, em 2003. O melhor desempenho anterior havia sido na edição passada, de 2020 – o que aponta para um crescimento paulatino da qualidade do futebol da região.

A situação provoca um aumento das apostas em clubes do Nordeste nas casas de apostas online. Porém, antes de buscar sites de apostas na internet, é preciso checar portais como Grandes Ganhadores, que indicam quais são as casas mais confiáveis e acessíveis.

O desempenho dos times nordestinos no Brasileirão

Até a nona rodada da atual edição da Série A, as quatro equipes nordestinas na competição somaram 48 pontos. Em 2020, nesse mesmo ponto, eram 43 pontos. Tanto na edição atual quanto na passada, o Nordeste teve os mesmos quatro clubes como representantes na elite do Brasileirão: Fortaleza, Bahia, Sport e Ceará.

Mas o Brasileirão 2020 não terminou de forma tão positiva para o Nordeste – os quatro clubes terminaram na segunda metade da tabela. O Ceará teve um desempenho melhor, em 11º lugar. Bahia, Sport e Fortaleza ficaram do 14º ao 16º, à beira da zona do rebaixamento.

Após quase cair para a Série B no ano passado, o Fortaleza retornou com tudo em 2021. A equipe ocupou a liderança da tabela na terceira e na quarta rodadas. A campanha do clube da capital cearense no Brasileirão 2021 inclui uma goleada de 5 a 0 sobre o Internacional, vice-campeão da edição anterior.

Com a 11ª rodada concluída, o Fortaleza continua no G4 – zona de classificação direta para a Copa Libertadores. Se o clube se mantiver no G4 quando a temporada chegar ao fim, será a primeira vez que o Fortaleza disputará a Libertadores.

Já o Bahia está na zona pré-Libertadores. O time já participou três vezes do torneio sul-americano – a última vez, no entanto, foi há mais de três décadas, em 1989.

O Ceará ocupa, atualmente, a 11ª posição, a mesma na qual havia encerrado a edição passada do Brasileirão. A colocação garante classificação para a Copa Sul-Americana, competição que o Ceará disputou em 2021 e caiu na fase de grupos. Antes, o clube havia participado de apenas uma edição da Sul-Americana, em 2011.

Dos quatro clubes do Nordeste que disputam a Série A, apenas o Sport está em maus lençóis. O clube do Recife está em 17º lugar, a posição mais alta da zona de rebaixamento. O Sport subiu da Série B para a primeira divisão em 2019 e, em 2020, terminou a temporada perto do rebaixamento, em 15º lugar. O clube pernambucano disputou duas edições da Libertadores, em 1988 e 2009, e duas da Sul-Americana, em 2013 e 2017.

Na Copa do Brasil, disputam as oitavas de final Fortaleza, Bahia, Vitória, Juazeirense, CRB (Alagoas) e ABC (Rio Grande do Norte).

Mudanças de gestão nos clubes que fazem sucesso

Os três clubes do Nordeste que estão em boa situação no Brasileirão possuem um importante fator em comum: eles passaram por mudanças administrativas para tornar a gestão mais profissional.

No caso do Bahia, foi adotada uma estratégia empresarial, com prestação de contas e análise periódica de resultados – o que levou a um rápido aumento de receitas que possibilitou a permanência de atletas como Gilberto, Rossi e Rodriguinho.

No Fortaleza e no Ceará, uma medida importante foi a administração conjunta da Arena Castelão, o que permitiu a presença de um público maior em 2019. Além disso, ambos os clubes elevaram os padrões de gestão financeira e investiram em novas fontes de renda, como materiais próprios.

Deixe seu comentário!

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*