Anderson recorda passagem pelo Bahia e diz sentir saudades dos gramados

Desde que deixou o Bahia, Anderson segue sem clube

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

Revelado no Santa Cruz, clube que defendeu por oito anos, o goleiro Anderson teve algumas passagens pelo futebol paulista: Portuguesa, Mogi-Mirim, Oeste, Linense, Ituano e Novorizontino, antes de chegar ao Esporte Clube Bahia em agosto de 2016. Foi contratado na época para suprir a saída de Douglas Pires, que foi emprestado ao Fortaleza. Na ocasião, o presidente Marcelo Sant’Ana explicou em entrevista que era um reforço para “repor a lacuna”, afinal, o elenco já contava com Jeanzinho e Muriel. Apesar de nunca ter sido uma unanimidade e muitas vezes bastante contestado pela torcida por conta das falhas em jogos decisivos, o arqueiro teve seu contrato renovado duas vezes pelo presidente Guilherme Bellintani, ficando no clube até o final da temporada 2020, deixando o clube depois de cinco temporadas.

 

Desde que deixou o Bahia, Anderson segue sem clube, mas vem mantendo a forma por meio de treinamentos específicos para a posição na sua cidade-natal. Em entrevista na última semana, o goleiro projetou a expectativa em estar de volta à rotina de um clube.

“Saudades de sentir sentir aquela adrenalina de novo, aquele frio na barriga. Estou fazendo treinamentos de goleiro com um preparador, associado à academia, para manter a forma e estar preparado para um novo desafio.”

O arqueiro fez parte do título do Nordestão de 2017, além dos estaduais de 2018, 2019 e 2020. Em cinco anos no clube, disputou 72 jogos. O melhor momento de Anderson no Bahia foi em 2019, quando defendeu pênalti na final do Campeonato Baiano e garantiu o título diante do Bahia de Feira.

“Foi bom, todo ano que passou fomos campeões. Tive a chance de fazer grandes partidas e fiz grandes amigos também. Foi maravilhoso, um momento único na carreira. Mas vida que segue, agora é continuar trabalhando e ter tranquilidade para tudo voltar pro lugar”, finalizou

 

Comentários:

5 Comentário

  1. Uma das piores coisa do munda é a ingratidão, Anderson já nos deu título, defendendo penalte, já nos salvou em jogos, o Bahia deve ter ganho jogos graças as suas palestras motivacionais dentro do vestiário, contaminando o grupo, e fazendo jogadores despertarem para o espirito guerreiro tricolor, mas nós só fazemos questão de lembrar os maus momentos de Anderson, e esquecemos que lá dentro tem um ser humano, que falha, que ter seus problemas, que podem interferir no seu rendimento, entre outras coisas. Espero que ele consiga um novo clube para seguir sua carreira e ter sucesso.

    • Eu fiquei feliz e agradecida Deus quando você deixou meu Bahia. Passei muita raiva com você frangueiro. Vá jogar no time das galinhas que lá é seu lugar. Não deixou nenhuma saudades. Tchau. Fike por ai mesmo.

  2. O pernambucano Anderson pode até está com saudade dos momentos em que viveu no Bahia, mas, será que ele lembra dos vexames do também? Em contrapartida, creio que a torcida do Bahia não tem nem lá lembrança dele quanto mais saudades. Dizem que era um bom “animador” de vestiário. Quem sabe se, futuramente, no organograma do Bahia não será criada essa função?
    Se for, o dito cujo já seria um candidato em potencial para ocupar o posto.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*