Caso Ramírez: STJD ouve arbitragem de Flamengo 4 x 3 Bahia

Gerson, Natan e Bruno Henrique, jogadores do Flamengo, serão ouvidos presencialmente

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) de fato começou o inquérito que vai apurar se ouve racismo do jogador Ramirez no jogo Flamengo 4 x Bahia realizado no Estádio do Maracanã. Nesta segunda-feira, foi ouvido o trio de arbitragem quanto à acusação de injúria racial feita pelo volante Gerson. Foram ouvidos não tão somente o árbitro Flavio Rodrigues de Souza e os assistentes Marcelo Carvalho Van Gasse e Danilo Ricardo Simon Manis, Marcelo Carlos Nascimento Viana, que foi o delegado da partida.

 

Gerson, Natan e Bruno Henrique, jogadores do Flamengo, serão ouvidos presencialmente na sede do STJD, no próximo dia 3 de fevereiro. Segundo nota divulgada pelo STJD, o Rubro-Negro “solicitou a suspensão do inquérito destacando que o caso segue sendo investigado na justiça comum e que o STJD do Futebol deveria aguardar a conclusão na esfera criminal para dar seguimento na esfera desportiva”, mas o pedido foi negado. Ainda de acordo com o divulgado, “por determinação do auditor Maurício Neves Fonseca o inquérito seguirá em sigilo e somente após a conclusão serão divulgadas informações”.

ENTENDA O CASO

Gérson acusou Ramírez de falar “cala a boca, negro”. Ramírez negou, mas chegou a ser afastado pelo Bahia. O Flamengo chegou a apresentar outra imagem onde afirma ter tido um ato de injúria, mas agora contra o atacante Bruno Henrique, e afirmou que um instituto contrato teria confirmado a injúria, porém, em nota o instituto negou que tivesse prestado serviços ao clube carioca e participado da perícia. O Bahia, então, contratou especialistas para analisar as imagens da discussão entre o colombiano e Bruno Henrique, e todos afirmaram que o colombiano não falou a palavra negro, mas sim que o colombiano teria dito “Tá quanto? Tá quanto?”.

 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*