Jornalista afirma que o Bahia deu aula de coerência no caso Ramírez

Bahia decidiu afastar o meia Ramírez mesmo ele negando a acusação

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

A posição da direção do Bahia acerca do suposto caso de racismo envolvendo o volante Gerson, do Flamengo, e o meia Ramírez, do Bahia, não é unanimidade entre os torcedores do Bahia, notadamente pela demora para se posicionar e, sobretudo, pelo afastamento do jogador tendo com base única, a palavra do acusador, aliás, um afastamento que seguramente vai prejudicar clube num momento crucial do Campeonato Brasileiro, onde está agarrado e abraçado com o Vasco da Gama na portaria do Z4, sendo que o time carioca ainda tem um jogo a menos que o tricolor de aço. No entanto, é verdade, que existe ainda que diminuto segmento da torcida, quase todos sócios e eleitores apoiam a medida, ainda que o caso ainda esteja em fase de apuração e o próprio jogador do Bahia negue veementemente qualquer tipo de racismo.

 

Por outro lado, a imprensa do eixo Rio-São Paulo, já condenou o jogador do Bahia, alguns inclusive profetizando que ele encerrou sua carreira em solo brasileiro. Porém, o Bahia ficou bem na fita e até reforçou o que foi denominados pelo clube de políticas afirmativas.

Um exemplo é do texto opinativo do jornalista Erich Beting, especializado em jornalismo de negócios do esporte um dos responsáveis do site Maquina do Esporte que elogia a coerência do atual presidente do Bahia.

VEJA ABAIXO

Um dos legados que a pandemia começa a trazer para a sociedade é a do empoderamento da vítima de preconceito. O preconceito não vai ser erradicado do planeta, mas a reação a ele começa a crescer.

Gérson, do Flamengo, se revoltou ao ter sido chamado de negro pelo atleta do Bahia, o colombiano Índio Ramírez. Foi tirar satisfação com o jogador, e o bate-boca com o banco de reservas do time Tricolor começou. O que se viu a partir dali foi uma aula de racismo estrutural do técnico Mano Menezes.

Quando Gerson relatou o porquê da revolta, Menezes desdenhou com um extenso “aaaah”. Depois, interpelou: “agora virou malandragem?”. As reações são típicas do comportamento preconceituoso inerente à sociedade. Primeiro por considerar que chamar o outro de negro não é uma ofensa. Depois, ao usar o termo “malandragem”, que tem origem na forma pejorativa de se referir ao escravo recém-liberto pela abolição em 1888.

Mano não percebeu que foi preconceituoso. Não dá para saber se sua demissão do Bahia foi vinculada a esse episódio, já que o time não vai bem no campeonato. Mas o Bahia deu uma aula de como agir contra o racismo depois do caso.

O clube ouviu o seu jogador, que disse não ter chamado Gerson de “negro”. Mesmo assim, o Bahia afastou Ramírez e justificou a decisão dizendo que “é indispensável, imprescindível e fundamental que a voz da vítima seja preponderante em casos desta natureza”.

O Bahia é hoje o único clube brasileiro que, de fato, se preocupa com a transformação social a partir de suas atitudes. Já tem alguns anos que o clube se posiciona em defesa de minorias. Em novembro, lançou o primeiro processo seletivo exclusivo para negros. Agora, mostra como temos de encarar o racismo. Sempre dar voz para a vítima é o primeiro passo.

Não é difícil que Ramírez tenha se arrependido do que fez. Da mesma forma, Mano Menezes deve estar desgostoso pelo que aconteceu e pela maneira como não respeitou a dor de Gerson. São aprendizados duros, mas que são muito menos difíceis do que a violência diária que os negros sofrem.

O preconceito só será erradicado do planeta quando entendermos que ninguém é melhor ou pior do que o outro. O Bahia deu mais uma aula de coerência com os valores que prega no dia a dia. Se tem algo que estamos aprendendo, pelo menos, é dar voz a quem é sufocado.

Deixe seu comentário!

6 Comentário

  1. Parabéns para vcs que acharam que os vexames que o Bahia passou nos três últimos anos foram poucos… Uma minorias de 10.000 idiotas que se acham donos da vdd porque são sócios.

  2. Calúnia e difamação também é crime passível de processo, então vai um recado para esses que acusam sem prova, caso não apareça as tais provas, tomara que Ramirez processe Gérson, Belitane, esse repórter a Rede Globo e sua queridinha Rede Bahia,

  3. Este presidente deveria ser expulso imediatamente do Bahia, única coisa que pensa é em fazer média com esta imprensa preconceituosa, veja o artigo, o repórter já diz que Ramires pode ter se arrependido, uma vergonha a atitude deste presidente do Bahia.

  4. Aula porra nenhuma a verdade é que temos um presidente de merda que baixa a cabeça para os times do sul e sudeste do país agora o Bahia vai pra segunda divisão e o Vasco fica na primeira isso é bom que essa impressa vagabunda tá querendo que aconteça!!

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*