O mundo obscuro do futebol brasileiro: A Saga do Boliviano Tito Lizandro

Tito Lizandro acusou treinador de cobranças indevidas para jogar

Antes de iniciarmos a terceira parte do texto ‘o mundo obscuro do futebol brasileiro’, é, sempre bom lembrar, que vamos continuar apresentando matérias (com provas) desse mundo do futebol que poucas pessoas conhecem. Por ser o principal esporte do Brasil e do Mundo, o futebol tem ampla visibilidade e uma enorme perspectiva de bons rendimentos para todos que fazem parte desse esporte ‘mágico’. Poucos torcedores percebem – por opção ou por falta de informação – o que acontece nos porões do futebol brasileiro. Uma triste realidade que devemos informar com clareza para que os jovens e seus familiares não sejam presas fáceis das armadilhas dos empresários desonestos e de mau caráter do mundo da bola.

 

A saga do boliviano Tito Lizandro é, sem nenhuma dúvida, um exemplo que nos deixa tristes.

Tito Lizandro é um jovem de vinte anos e, como a maioria dos jovens, sonha em ser um jogador profissional de futebol. Mas, infelizmente, o jovem encontrou um intermediador ou empresário do mundo da bola que apresentou-lhe uma falsa realidade do futebol brasileiro. Normal para quem quer aliciar jovens vendendo informações falsas e, consequentemente, obter vantagens financeiras.

Em 2018, Tito Lizandro saiu da Bolívia para jogar no Estanciano Esporte Clube – Estância-SE. O Estanciano Esporte Clube estava disputando a segunda divisão do campeonato sergipano e, segundo pesquisa realizada no site da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), não encontramos nenhum registro de Tito Lizandro como jogador amador ou profissional da equipe de Estância-SE.

Em 2019, Tito Lizandro foi chamado para jogar no Socorro Sport Club e, no dia 09 de agosto de 2019, foi registrado como atleta amador no Boletim Informativo Diário (BID) da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Durante o campeonato sergipano da segunda divisão de 2019, Tito Lizandro foi relacionado como reserva nas 10 (dez) partidas que o Socorro Sport Clube realizou, mas só entrou em campo uma vez. Na única participação do atleta, o mesmo entrou aos quarenta e cinco minutos do segundo tempo da partida em que o Socorro Sport Clube enfrentou o América Futebol Clube de Propriá-SE pelas oitavas de final da competição.

Em janeiro de 2020, Tito Lizandro, que já tinha saído do Socorro Sport Clube, foi convidado pelo técnico Edílson Santos para jogar no Jaciobá-AL de Pão de Açúcar-AL. A sua chegada repercutiu de forma positiva na torcida do clube alagoano e na imprensa escrita, falada e televisada. No dia 15 de janeiro de 2020, o Globoesporte.com/AL publicou a seguinte matéria: Jaciobá-AL aposta em atleta estrangeiro para o campeonato alagoano. Na excelente matéria do Globoesporte.com/AL ficou bem claro que quem indicou o jovem Tito Lizandro para a equipe do Jaciobá de Pão de Açúcar-AL foi o técnico Edílson Santos.

As denúncias de cobranças indevidas e de não estar jogando feitas por Tito Lizandro contra o ex-técnico Edílson Santos repercutiram amplamente em vários veículos de comunicação do Brasil. Após as denúncias, Edílson Santos informou que Tito Lizandro sabia que veio para o Jaciobá-AL de Pão de Açúcar-AL para fazer um estágio.

Estamos em maio de 2020 e, até o momento, nenhum dirigente da equipe do Jaciobá de Pão de Açúcar-AL foi solidário com o jovem Tito Lizandro afim de amenizar possíveis danos morais e psicológicos causados por essa situação constrangedora. Ao contrário. Eles (os dirigentes) agem de forma desumana como se nada tivesse acontecido dentro do clube. O Jaciobá de Pão de Açúcar-AL é o único responsável pela contratação do “profissional’’ (Edílson Santos) que, além de ser de péssima qualidade, é reincidente nessas práticas ilícitas e imorais.

Deslumbramento

Diante do que é divulgado diariamente nos principais veículos de comunicação do Brasil e do mundo no que diz respeito a carreira de jogador de futebol profissional, é normal o deslumbramento de muitos jovens com a fama, altos salários, carrões, casas que parecem palácios e, principalmente, dar uma vida mais confortável para familiares e amigos.

O que muitos jovens não sabem é que a esmagadora maioria dos clubes brasileiros – principalmente os que estão disputando a segunda divisão dos campeonatos estaduais – não oferecem uma estrutura digna para exercer a profissão com a mínima tranquilidade. Pagar salário e direitos trabalhistas em dia, oferecer uma alimentação saudável e uma moradia confortável para os jogadores que não residem na cidade é algo muito difícil de encontrar na maioria dos clubes.

Nós, que militamos no futebol desde jovem e conhecemos muitos detalhes, sabemos que a realidade salarial é bem diferente daquela que os falsos empresários do mundo da bola propagam para os jovens.

Segundo informações da Confederação Brasileira de Futebol, a realidade salarial do futebol brasileiro é a seguinte:
– 83,40% dos jogadores recebem até R$ 1.000,00 (hum mil reais).
– 13,68% dos jogadores recebem até R$ 5.000,00 (cinco mil reais).
– 1,35% dos jogadores recebem até R$ 10.000,00 (dez mil reais).
– 1,77% dos jogadores recebem até R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais).
– 0,40% dos jogadores recebem até R$ 100.000,00 (cem mil reais).
– 0,28% dos jogadores recebem até R$ 200.000,00 (duzentos mil reais).
– 0,12% dos jogadores recebem até R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais).

Jogar futebol de alto nível é uma profissão de carreira curta e, a esmagadora maioria dos jogadores, são remunerados com um salário mínimo e com sérios riscos de não receber em dia. Diante dessa situação, é, mais do que necessário, que o jogador de futebol continue estudando para ter uma profissão quando encerrar a carreira e continuar inserido na sociedade.

Em breve, mais um capítulo dessa triste realidade que está assolando o futebol brasileiro.

Por: Coronel Pontual

 

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*