Fatalmente, após a pandemia, o futebol vai ter que se reinventar

"O futebol vai precisar de competentes gestores para sair da crise"

Getty Images/Reprodução

No início da década de noventa, quando o mundo dos negócios já vislumbrava sinais de grandes transformações em função da proximidade da virada de século, os americanos Michael Hamlet e James Champy entraram em cena e lançaram um novo modelo, conceito ou uma nova estratégia de gestão de negócios denominada, REENGENHARIA, a qual, o mundo empresarial passou por grandes mudanças a partir do final do Século XX, trazendo como escudo a globalização da Economia, um processo econômico-social que estabeleceu a integração entre povos e países de todo planeta, num intercâmbio de várias experiências comerciais, financeiras, culturais, independentemente, de conceitos ideológicos.

 

Fiz questão de dissertar, um pouco, a respeito da Reengenharia, por entender que estamos enfrentando uma perniciosa guerra sanitária que quando terminar, deve deixar um rastro de terra arrasada tanto no campo social como na área econômica, como sempre acontece no final de uma guerra propriamente dita, obrigando que haja uma reinvenção e, por certo, tudo terá que recomeçar do zero, num processo semelhante. E neste contexto, o futebol, não é exceção, pois, a única diferença existente entre o futebol e outros negócios é que, no futebol se lida com vaidades, paixão e coisas abstratas, enquanto que em outros empreendimentos, se lida com a razão, a modéstia e com coisas concretas. E o futebol, vai precisar de competentes gestores que saibam retirar o “s” da crise para encontrar soluções, haja vista que, em pleno Século XXI, não se pode e nem se tem mais espaço para se debruçar sobre aquela antiga e imperativa parábola bíblica que afirma: “Depois da tempestade, vem a Bonança”!!! Vivemos novos tempos e, nos dias atuais, às bonanças só virão, se houver boas governanças.

Infelizmente, muita gente ainda não tem a mínima noção da importância, relevância e da influência que tem o futebol para o povo de um país, principalmente, o desportista brasileiro que é, sobremaneira, apaixonado por esse fantástico esporte, num Brasil de dimensões continentais, com um calendário repleto de competições estaduais, regionais, nacionais e internacionais, quando no decorrer de uma temporada normal, a bola rola de domingo à domingo, com a realização de jogos pertinentes à cada competição que está inserida no contexto e o fato é que, existe futebol para todos os gostos e camadas sociais.

O negócio, futebol – sem nenhuma associação com o nome de um programa de determinada rede de TV – é fantástico. Além de movimentar, diariamente, uma dinheirama pelo mundo afora e já ter proporcionado independência financeira à muita gente, é um mercado que abrange e abriga em seu campo periférico, uma gama de empreendimentos responsável por um incalculável números de empregos diretos e indiretos, formais e informais. No mercado formal, beneficia o rico comércio e indústria de material esportivo, a mídia esportiva (emissoras de rádio, TV, jornais, sites, blogs), transportes aéreos e terrestres, hotéis, bares, restaurantes, enquanto no mercado informal, foca naquela legião de ambulantes que ficam no entorno dos estádios, em dias de jogos, vendendo cerveja, água, refrigerante, churrasquinho de gato e o escambau de Mussurunga. Então imaginemos, quanto prejuízo acumulado em função dessa pandemia, tanto para o pobre, rico ou mesmo para o remediado?

Como ressaltei no início do texto a respeito desse fenômeno chamado Reengenharia, mecanismo que revolucionou a economia no final do século passado, tenho absoluta certeza que o futebol após passar essa guerra sanitária, Mundo x Coronavírus, os clubes de futebol, necessariamente, serão submetidos a esse processo, se reinventando sob pena de se tornarem ex-clubes de futebol.

Desde o decorrer do mês de março que às competições que estavam em curso foram paralisadas ou interrompidas, oportunidade em que os clubes, federações e CBF vêm estudando e adotando uma série de medidas administrativas, financeiras e técnicas, não só objetivando a sobrevivência dos clubes como, também, tentando preservar vínculos contratuais com atletas e comissões técnicas, até que se vislumbre uma luz no fim do túnel no tocante ao fim da pandemia para que “o rio possa voltar ao seu leito normal”.

Pelo que tenho acompanhado na mídia esportiva, as medidas são duras e austeras, compatíveis com o estado de calamidade pública em que vivemos. Os grandes clubes da Série A e alguns da Série B, já anteciparam férias aos seus funcionários e já começaram negociar com jogadores e comissões técnicas, redução de salários, atitude que nunca agradou nenhum trabalhador do mercado formal de trabalho, imagine jogador de futebol, principalmente, aqueles que fazem parte do topo da pirâmide salarial do futebol profissional, atletas bem remunerados, mas, por mais que ganhem, nunca estão satisfeitos com os saldos das suas contas bancárias. Já com os clubes das Séries C e D, inexiste o fator de altas remunerações salariais, mas, em muitos deles, já houve desmanche do time. Em contrapartida, são clubes de pouca ou nenhuma estrutura financeira, que sobrevivem da modesta receita proveniente da bilheteria ou de parcos patrocínios, daí o motivo desses clubes já estarem de cuia da mão, pedindo SOS à CBF.

Tenho quase que certeza que, essa estratégia dos clubes de reduzir salários em função da pandemia do Covid-19, tornar-se-á um caminho sem volta, haja vista que, mesmo não se tendo nenhuma previsão da retomada do futebol, os clubes retornarão, uns descapitalizados, outros endividados e alguns, literalmente, quebrados e, diante desse quadro sombrio e desolador que todos projetam, é bem provável que, doravante, haja uma inversão na regra da contratação. Em qualquer inatividade laboral, seja do setor privado ou público, o empregador é quem estabelece o salário que o empregado vai auferir; se este aceitar, tudo bem, se não aceitar, não faltará candidato para pleitear ou preencher a vaga. Mas, o ambiente futebol, é tão vaidoso e surreal que no item principal e decisivo para um emprego ou contratação que é o salário, ao invés do patrão (clube), estabelecer quanto quer ou pode pagar ao empregado (atleta), este é quem faz à proposta salarial ao clube. Parece até piada, mas, infelizmente, é verdade.

Não poderia deixar de externar aqui, o gesto solidário e filantrópico do presidente Guilherme Bellintani em ter colocado às dependências do Fazendão à disposição do governo do estado para que possam ser utilizadas, eventualmente, como uma área de isolamento destinadas as pessoas infectadas pelo Covid-19. Também, não poderia deixar de registrar, com tristeza, como o mundo dar voltas: Quem já viu ou viveu grandes emoções nos mais tradicionais estádios do Brasil como Pacaembu, Presidente Vargas, Maracanã, dentre outros, por ironia do destino, temporariamente, estes estádios estão deixando de ser palco do futebol, porque os gramados onde a bola rolava e os atletas encantavam sua torcida com gols e jogadas geniais, estão se transformando em hospitais de campanha, para abrigar os infectados por esse ‘cabrunco’, chamado Coronavírus.

E para finalizar, ao invés de repercutir aqui, a velha máxima de que: “há males que vem pra o bem”, infelizmente, tenho que dizer que, há males que acabam beneficiando quem não é do bem. Com esse denominado grupo de risco que abrange as pessoas com idade acima de 60 anos, consideradas vulneráveis à infecção, muitos capadócios que cumpriam penas por crimes de corrupção, já estão sendo liberados dos presídios, indo direto para suas mansões, como é o caso do famigerado Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados e de José Maria Marin, ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol-FBF, que se encontra preso nos Estados Unidos, mas, em breve, retornará ao conforto do seu lar, doce lar.

#FiqueEmCasa!

José Antônio Reis, amigo e colaborador do Futebol Bahiano.

 

Deixe seu comentário

1 Comentário

  1. Ò Antonio só você mesmo para me tirar deste marasmo onde vivo esses dias (este ano) com o chamado de quarentena somado com fortes dores do pescoço, braços e mãos obra e fruto de um acidente domestico que me custou uma lesão na coluna vertical, que a reboque, fez produzir simplesmente do nada um sujeito sisudo, aborrecido e completamente desnutrido quando o assunto é sorriso pela incapacidade de escrever, algo que adorava e ainda tento adorar.

    Mas seu texto me trouxe o incentivo e logo após o esforço, especialmente pelo envio do texto em um momento bicudo com o futebol parado. O sorriso (acho que o primeiro do ano) veio quando afirmou que:

    “, Não se pode e nem se tem mais espaço para se debruçar sobre aquela antiga e imperativa parábola bíblica que afirma: “Depois da tempestade, vem a Bonança”!!! Vivemos novos tempos e, nos dias atuais, às bonanças só virão, se houver boas governanças”

    Li seu texto integralmente, alguns parágrafos por mais uma vez, nada tenho para acrescentar, nenhum adendo a fazer ou qualquer ressalvas para pontuar, apenas parabenizar. Mas vou fugir das 4 linhas, porém ficarei na mesma calamidade para dizer que espero que depois que essa tempestade se dissipar tenhamos um mundo novo e agora contaminado com o vírus das boas relações entre as pessoas, mas admito, sem grande ilusões.

    A pandemia ou o nome que tenha está mandando seu recado está avisando que somos muitos, mas não podemos tanto e que o Grêmio de Porto Alegre nunca foi imortal. É preciso aprender com tudo isto, seja no futebol ou não, os fatos se observado com a luz da humildade e sabedoria é uma grande lição de vida que pode transformar a vida de algumas pessoas para melhor, é agora ou nunca.

    Permita-me um relato real e emblemático. Sou filho de um espanhol ( infelizmente já falecido) austero, duro, valentão, rigoroso os extremos, raros sorrisos e nenhum abraço de pai, porém, correto e amável do jeito dele. Trabalhador e dedicado e assim acumulou um patrimônio razoável em cima dele vivia, passava a idéia quer era um vencedor ampliando seus ganhos para todos e qualquer aspecto da vida como ganhar dinheiro fosse a única meta de um homem.

    No entanto, assim como nós neste momento ele também foi vitima da sua pandemia, não sanitária e sim financeira. Em 1984 o local onde tinha sua base econômica simplesmente pegou fogo, Tudo ardeu em chamas e junto os cofres de aço (3) pulverizou dólares ( se transformou em pó pelo calor) que ele vendia e comprava aos montes, cheques de empréstimos pessoais desapareceram e o mais grave, títulos de aplicação do FUNDO 147 (já extinto) era resgatável apenas com a posse do titulo em mãos ( era impessoal como uma espécie de cheque ao portador) também queimaram e para completar havia feito um seguro errado. O homem desceu a ladeira.

    E então mestre Antonio, seu Leopoldo Carrera um dia após o sinistro transformou-se. Depois de certo período refletindo, repensando a vida, imaginando estratégia para recomeçar, remodelando e refazendo seus valores e conceito, trabalhou duro e recuperou grande parte do perdido e o MELHIOR agregou valores maravilhosos que o lhe transformou via as cinzas e a tristeza o status de melhor pai do mundo. Um sujeito cheio de qualidade e virtudes ( repleto), porém, enfiando dentro de si e uma meta única sem ter chances de mostrar aos seus a imensidade do homem que era já o egoísmo não permitia e o pior, ele não tinha a menor dimensão do problema.

    Vamos então aguardar que assim com meu pai, o futebol recomece com a mesma humildade e, sobretudo reconhecendo a sua importância econômica e que somos nós, digo, eu você e os demais que somos a essência e razão deste esporte e ele teve ser refeito dando enfoque a quem lhe sustenta. Arenas Lindas, campos com ar condicionado, jogadores com dente de ouro e cabelos importados não são nada, absolutamente nada sem a nossa presença. Chegou à hora de valorizar o torcedor, penso.

    Perdoa os erros, comentário feito apenas com uma das mãos.

    Quando o maluco lhe chamar:

    #FiqueEmCasa!

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*