Geninho deixa em dúvida permanência no Vitória e diz ter contrariado família

Treinador tem proposta do Avaí para ser diretor de futebol

Foto: Thiago Pereira

A permanência do técnico Geninho no Esporte Clube Vitória para 2020 parece cada vez mais difícil. O treinador aceitou assumir o Leão em situação complicada atendendo um pedido do amigo Paulo Carneiro, segundo ele, contrariando a família, mas no final das contas, fez um grande trabalho com 50% de aproveitamento e livrando o Leão da queda para a Série C. Além da questão familiar, Geninho tem uma proposta para ser diretor de futebol do Avaí. Inclusive, nesta quarta-feira, o presidente do clube catarinense, Francisco Battistotti, revelou ter um acordo com o treinador e confia que ele irá cumprir o acordado.

 

Em conversa com o repórter da TV Bahia Thiago Mastroianni nesta tarde, durante o desembarque da delegação em Salvador, Geninho comentou sobre a possibilidade de seguir no Vitória: “Tenho sentido do torcedor e até do pessoal ligado à direção o interesse [em renovar]. Disse que ainda não defini a minha vida”, afirmou.

Na entrevista exclusiva concedida nesta tarde, antes da declaração do dirigente do Avaí, o treinador admitiu que recebeu sondagens e chegou a citar a hipótese de se tornar diretor. A decisão, no entanto, ficará para depois: a ideia é sentar com a família e conversar a respeito.

“Vim para cá contrariando muito minha família. Não que minha família não goste de Salvador e do Vitória. Muito pelo contrário. Eles adoram a cidade e sabem o cainho que tenho pelo Vitória. Mas eles queriam que eu descansasse um pouco. Tenho me dado, de vez em quando, um tempo, talvez por isso estou levando até agora. Fico contente de ver o torcedor querendo que eu fique. Mas ainda não tenho definida a minha situação, o que vou fazer da minha vida para o ano que vem. Vou esperar terminar o campeonato, sentar com a família, que vai ter um peso muito grande do que vou fazer. Tenho sondagens de outras equipes. Algumas querem que eu vire diretor (risos). Acho que eu tenho que ter calma para decidir. Agora é hora de curtir essa realização do trabalho. Durante a semana a gente vai conversar bastante. Não tenho nada contra permanecer, me sinto bem em Salvador e dentro do Vitória. Mas a família terá um peso muito grande no que vou fazer. Estou indo para o aniversário de meu neto, estão todos envolvidos na festa, não é hora de conversar agora. Quero sentar com calma, tentar argumentar algumas coisas, e a gente vai decidir. O que tiver que acontecer vai acontecer de maneira natural”, afirmou.

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*