O encontro marcante de Maurício Guimarães com Arthur Mattos, ídolo do Bahia

"A minha sorte foi poder ouvir tanta paixão e fervor pelo futebol..."

No último dia 2 de setembro faleceu, aos 67 anos, ex-jogador Arthur Mattos, mais conhecido como Arthur Mazzaropi, ponta esquerda autor do gol que decretou o título baiano de 1971 para o Tricolor em um clássico Ba-Vi na Fonte Nova. Mais tarde, o gol ficou eternizado como o “gol da pomba”. O motivo? Antes de a bola rolar, uma pomba com uma bandeira do Bahia amarrada na perna pousou no travessão de uma das metas do estádio. O chute de Arthur, cobrando pênalti, foi no mesmo local. O saudoso jogador foi embora sendo mais um dos personagens da história de sucesso do Bahia que nos deixa. É vida segue estabelecendo e registrando mais um capítulo das saudades.

Justamente há seis anos atrás, no dia 2 de julho, data da independência da Bahia, o nosso querido amigo, colaborador e um dos fundadores do Site Futebol Bahiano, Maurício Guimarães Costa (foto), baiano, porém já por muito tempo aquartelado em Recife, escrevia sobre a visita que fez à Salvador e o momento que encontrou grandes nomes da história recente e passada do Esporte Clube Bahia. Entre eles estava Arthur Mattos, que depois que abandonou o futebol, tornou-se ferrenho torcedor do Bahia.

Recorde o texto abaixo:



“Tive a felicidade de conhecer personagens da histórica recente do E.C.Bahia e de outros tempos também num só encontro. Primeiro, ontem em Pituaçu, quando avistei o gentil tricolor “Ratinho”, que nos recebeu de braços abertos para assistirmos o Bahia x Inter, e que está nos devendo um livro para nos contar a história dos bastidores do Bahia que poucos conhecem. Futebol é mesmo uma arte dentro de campo, mas comprar as tintas, pedir empréstimos, cunhar uma liderança política dentro do futebol baiano nunca foi devidamente contada para o público maior essa saga de dirigentes, empresários e personagens que militam em torno dessa paixão.

E hoje (02 de julho de 2012) tive a segunda grata recepção em Ondina. Foi nosso Campeão baiano de 1971, Arthur Mattos, que nos recebeu com sua esposa Graça para conversamos sobre o fórum mais tricolor da internet e o nosso querido E.C.Bahia. Lá também estavam Diego, Roberto, Ratinho e o colunista Cássio do sítio da internet (ecbahia.com). A razão do encontro foi a passagem de Cássio por Salvador, cidade que não resido também. Voltarei para Recife com o balaio cheio de boas histórias contadas por personagens de dentro e fora do campo de futebol.

Mas quais histórias? Bom… Isso só o nosso Ratinho, Arthur e muitos outros poderão contar um dia num livro que merece ser escrito. A minha sorte foi poder ouvir tanta paixão e fervor pelo futebol que nos alimenta de uma utopia comum: o resgate do Bahia para torná-lo democrático, aberto a novas lideranças e com um quadro social que garanta ao Bahia uma receita que o tornaria um gigante do tamanho que a nação a tricolor merece. Hoje, conheci pessoas incríveis que estão sintonizadas com um Bahia grande, que caiba todos os torcedores numa mentalidade de respeito e grandeza. Hoje, que o dia foi mais brasileiro porque é 2 de julho e não deve ser tolerada mãos tiranas.

E se administrativamente o Bahia vem se modernizando em seu departamento de futebol, formando uma estrutura capaz de brigar com gigantes como o Inter, porém não temos o capital político para fazer a descoberta de Copérnico, lideranças capazes de saber que é a torcida que está no centro do universo, não o clube e seus dirigentes. O Bahia carece de um Péricles, pai da democracia grega, um grande dirigente que coloque o Bahia nos trilhos de uma democracia e abertura compatíveis com o futebol moderno. Futebol como o do Corinthians, que teve seus ingressos vendidos em quase sua totalidade para seus sócios!

Mauricio Guimarães Costa”

Deixe seu comentário