Reforço do Vitória fala sobre início no lava-jato e conselho de ex-rubro-negro

"Eu sou um volante moderno, que sempre chega na área", disse

Nesta quarta-feira de cinzas, o volante Rodrigo Andrade, recém-contratado pelo Vitória, concedeu a primeira entrevista como jogador rubro-negro. O jovem de 20 anos, revelação do Paysandu, contou sua história de vida e o quanto batalhou, lavando carros em um lava-jato, para conseguir dinheiro para se locomover aos treinos do Papão.

“Ralei muito para entrar no futebol. Lavava carro para ir para o treino. Minha família não tem ninguém que joga futebol. Meu pai falou ‘pode ir, é o único futuro que você tem, já que você não gosta de estudar mesmo’. Tinha um lava-jato do meu primo na frente da minha casa, aí o treino começava às 8h. Eu acordava às 6h, lavava carros para conseguir o dinheiro do ônibus e ia. Sofrer é normal, todo mundo sofre na vida”, revelou.

Rodrigo também falou sobre suas características. Afirmou ser um volante moderno, que gosta de se aventurar no ataque. Ele revelou ainda ter tido a honra de jogar com o volante Vanderson, que teve uma boa passagem pelo Vitória entre 2006 e 2010. Inclusive, o ex-rubro-negro foi decisivo para sua transferência para o Leão.

“Na minha opinião, o volante não tem mais tanto que marcar não. Eu sou um volante moderno, que sempre chega na área, e sempre quando der, faço um gol, para não esquecerem de mim. Eu venho trabalhando forte, sempre respeitando os companheiros. Vou trabalhar para buscar meu espaço no time e poder ajudar. Eu tive a honra de jogar com o Vanderson lá no Paysandu, no profissional. Quando o meu empresário falou do Vitória, eu procurei logo falar com ele, que me disse: – Pode ir que lá é um grande clube e vão te receber de braços abertos”, revelou.

Após ser questionado sobre sua forma física, Rodrigo revelou que relaxou um pouco durante as férias e voltou um pouco fora de forma.

“É. Por causa das férias, eu relaxei um pouco, engordei um pouco, lá em Belém. Conversei com o professor, ele falou que eu estava acima do peso, mas eu continuei trabalhando e ele foi me levando no banco. Agora já estou no peso ideal de jogo e estou bem”, finalizou.



Deixe seu comentário