Bobô também ameaçado

A representante do MP baiano também encaminhou à Justiça uma petição requerendo, liminarmente, o afastamento do diretor da Superintendência de Desportos do Estado da Bahia (Sudesb), Raimundo Nonato Tavares da Silva (o Bobô), e do diretor geral de operações Nilo dos Santos Júnior, por terem negligenciado quanto às irregularidades estruturais e à manutenção devida do estádio. Contestando a versão dada pelos atuais gestores da Sudesb, que, após a tragédia, afirmaram à imprensa que desconheciam a gravidade da situação da Fonte Nova, Joseane Suzart explica que, em 16 de março de 2007, durante reunião na sede do Ministério Público, foi apresentado, à Procuradoria Jurídica e ao atual diretor geral de operações da Sudesb, um relatório técnico de avaliação e requalificação da Fonte Nova de setembro de 2006, elaborado pela Geluz Engenharia e Construções Ltda, apresentado pela própria Sudesb ao MP, retratando a possibilidade de ocorrência de “colapsos parciais” no estádio.

Na petição, requer também a promotora que a Sudesb mantenha interditado o estádio, nos termos já determinados pelo governo da Bahia, bem como isole as áreas adjacentes a ele e interdite o Ginásio Antônio Balbino, a Escola Estadual da Fonte Nova, a própria sede da superintendência e todas as demais edificações públicas contíguas e ou que fazem parte da Vila Olímpica, a fim de evitar novas tragédias.Correio da Bahia

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*