Guto Ferreira ou Paulo César Carpegiani: Essa é a questão no Bahia

Direção nova. Expectativa renovada e perspectiva ampliada e a esperança de um Bahia cada vez mais forte mantida. Essa é a visão de grande parte da torcida do Bahia, após o final da temporada conjuntamente com a eleição Guilherme Bellintani para os próximos três anos.

No entanto, no momento o tricolor passa pela natural fase de transição que parece acontecer de forma tranqüila, já que existia um alinhamento perfeito entre aquele que sai e aquele que desembarca, fato que de certo modo facilita todo o processo, especialmente no departamento de futebol com a manutenção do Diego Cerri respondendo pelo setor.

A cerimônia da posse vai acontecer na segunda-feira (18), na Arena Fonte Nova. Já na próxima quarta-feira (20), haverá uma reunião do Conselho Deliberativo com o objetivo de apresentar e discutir os Planos e o Orçamento do Clube para o exercício de 2018 e depois de cumpridas todas as formalidades administrativas acertadamente haverá anúncios de contratações, saídas, renovações de contratos de empréstimos dos jogadores com vinculo encerrados e especialmente a decisão da renovação ou não do contrato do técnico Paulo César Carpegiani que deixou o Bahia na 12º lugar, com 50 pontos após chegar ao clube com destino completamente incerto na época sob o comando do auxiliar Preto.

Mesmo sem tomar posse seria natural imaginar que o processo desta renovação estivesse em andamento. No entanto, Carpegiani de férias no Rio de Janeiro, em entrevista neste sábado, admite que não foi procurado pela nova direção do Bahia, além disso, afirmou ter propostas em cima da mesa que serão analisadas após 31 de Dezembro quando seu contrato se encerra com o Bahia, ou seja, aguardando uma posição do tricolor. Uma das propostas é do Flamengo e duas outras do futebol do exterior.

Guilherme Bellintani logo após a eleição foi claro.

“Eu não sou do tipo que vou me orgulhar por lançar um treinador e ele ir bem”

“Não quero fazer experiências com técnico aqui no Bahia”

“Quero um treinador consolidado”

“Carpegiani tem esse perfil, Guto Ferreira tem e há vários outros com esse perfil” “ Vamos conversar e depois decidir”

Pela demora e, sobretudo, pelas declarações acima é razoável acreditar que o Esporte Clube Bahia pode trazer Guto Ferreira de volta. O técnico deixou o tricolor de aço na terceira rodada do Campeonato Brasileiro deste ano, após duas derrotas e uma vitória, seduzido por uma melhor oferta salarial, aliás, a mesma motivação que fez romper contrato com a Chapecoense em direção do Bahia em junho de 2106.

O também gaúcho hoje está sem emprego, após ser demitido do Internacional na reta da Série B, portanto, não vejo como surpresa que Guto Ferreira desembarque em Salvador na reapresentação do Bahia em Janeiro e reassuma o comando técnico do clube.

Resta apenas saber, se essa é de fato é a melhor opção para o Bahia.

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*