Com a SAF, Ricardo Chaves espera que Bahia saia do ‘ciclo vicioso de subir e cair’

"Expectativa é, indiscutivelmente, sair desse ciclo vicioso de sobe e desse"

Foto: ge

Entrevista desta quarta-feira (23) no Segue o BAba Especial sobre a Copa do Mundo, no Globo Esporte, o cantor Ricardo Chaves aproveitou também para falar sobre a situação do Esporte Clube Bahia, que conquistou o acesso à Série A esse ano e está prestes a se tornar um clube-empresa. No dia 3 de dezembro, os sócios tricolores vão votar sobre a venda da Sociedade Anônima do Futebol (SAF) para o Grupo City. O músico frisou que não espera que o Bahia se torne um “City” da noite para o dia, mas que acabe com o ciclo vicioso de subir e descer.

 

“Dinheiro não adianta nada se não for utilizado. Expectativa é, indiscutivelmente, sair desse ciclo vicioso de sobe e desce. Não tenho expectativa de que vai chegar e ser o City da noite para o dia. É um projeto no médio e longo prazo. No curto prazo, é sair dessa m**** que a gente está.”, disse o treinador.

O fundo árabe se compromete a pagar R$ 1 bilhão pela aquisição de 90% da SAF do Bahia em até 15 anos. A associação civil permaneceria na sociedade com participação minoritária, por meio de seus 10%. Desse valor, R$ 500 milhões serão destinados para a compra de jogadores, R$ 300 milhões para o pagamento de dívidas, e R$ 200 milhões para infraestrutura, categorias de base, capital de giro, entre outros. A folha salarial do futebol passaria a ser de R$ 180 milhões por ano, o que representa 60% do orçamento.

 

Autor(a)

Fellipe Costa

Administrador e colunista do site Futebol Bahiano. Contato: futebolbahiano2007@gmail.com

Deixe seu comentário