Organizada do Vitória é penalizada com suspensão devido agressão a torcedor

Reinaldo ganhou uma moto nova, após iniciativa de um grupo de conselheiros.

Foto: Divulgação/Imbatíveis

O BEPE-PM BA decidiu penalizar a TUI (Torcida Uniformizada Imbatíveis) com suspensão até 17 de agosto devido a agressão ao barbeiro Reinaldo Silva, de 21 anos, que estava voltando da casa de um cliente quando foi abordado e agredido por integrantes da torcida organizada. Após o ocorrido, a TUI divulgou uma nota repudiando o ocorrido e afirmando que afastaria os envolvidos. Além disso, anunciou que depositou R$ 2 mil na conta bancária do torcedor para o conserto da moto.

 

Reinaldo ganhou uma moto nova, após iniciativa de um grupo de conselheiros, junto com 16 torcedores. Além disso, se tornou sócio do Rubro-Negro e também recebeu uma camisa do Vitória. Ele também terá direito a um ano de ingressos para acompanhar o Rubro-Negro no Barradão.

VEJA A NOTA NA ÍNTEGRA

“A diretoria da Torcida OS IMBATÍVEIS informa que, o BEPE-PM BA, decidiu penalizar a TUI com uma suspensão até o dia 17.08, com proibição de uniformes, faixas, bandeiras e bateria, devido ao lamentável fato ocorrido na última partida realizada no Barradão.

Infelizmente seremos mais uma vez penalizados pela ação isolada de alguns integrantes, que em nada condiz com o proceder da torcida. Quando falamos em “ação isolada”, referimos-nos à uma atitude que não partiu da diretoria e/ou lideranças da Torcida. Não foi orquestrada, pensada e realizada por aqueles que respondem pela mesma. Muito pelo contrário, hoje mais do que nunca, o nosso pensamento, comportamento e ações, gira apenas em apoiar, cobrar e fortalecer o E.C.Vitória de volta ao seu devido lugar.

Vivemos em uma sociedade intolerante e extremamente violenta em todas as classes, profissões e ambientes. Violência nos bairros, em festas, violência policial, na escola e até mesmo no lar. Porém, somente as Torcidas, são acusadas e punidas integramente pela ação de alguns. Não punem instituições inteiras como Polícias, blocos carnavalescos, colégios… quando integrantes delas, agem de forma violenta ou comentem delitos.

Vivenciamos uma crescente da violência policial e ninguém fala em punir a instituição ou o todo o batalhão, mas apenas o policial que praticou. Mas as torcidas são tratadas como incentivadoras de violência e tratadas como todas iguais, quando não são.

É necessário que a sociedade conheça a postura, o trabalho e as ações que muitas torcidas fazem dentro das instituições, para conscientizar, cobrar e punir os seus próprios membros. A sociedade também deve entender que dentro de um estádio de futebol, são milhares de torcedores juntos, cada um com suas particularidades, vivências, dores, problemas, uso de drogas (álcool e outras), como é em qualquer outro lugar do país onde se junte uma grande quantidade de pessoas. Logo esse papo de “violência no futebol é inaceitável”, é apenas reprodução de uma mídia sensacionalista e manipuladora.

Violência é inaceitável em qualquer lugar, mas a sociedade é violenta. Porque seria diferente apenas em um local e justamente onde se tem essa mistura de todo o tipo de pessoas? Não queremos, com essa indagação, naturalizar a violência, mas sim, tentar abrir os olhos daqueles que acham que as Torcidas são responsáveis diretas pelas ações de alguns. Passou da hora do poder público assumir que falhou enquanto provedora de Educação, Lazer, Cultura, saneamento básico, segurança,…., e  entender que o futebol é o reflexo da sociedade brasileira.  Violenta, intolerante e desassistida. Somos completamente a favor de  se punir os RESPONSÁVEIS por cada ação violenta e/ou criminosa.  Não se pode punir uma instituição que preza pelo diálogo, que prega a ideologia de paz e apoio à um Clube de Futebol. Punam o CPF e deixem pra punir o CNPJ, quando alguma ação for feita envolvendo, verdadeiramente , à Torcida.”

Autor(a)

Fellipe Costa

Administrador e colunista do site Futebol Bahiano. Contato: futebolbahiano2007@gmail.com

Deixe seu comentário