Bahia de Feira despacha o Bahia e fará final inédita contra o Atlético no Baianão

Bahia de Feira venceu o Bahia por 3 a 0 na Arena Cajueiro

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

Foi definida nesta quarta-feira os dois finalistas do Campeonato Baiano de 2021. Mais cedo, o Atlético de Alagoinhas garantiu a classificação superando a Juazeirense nos pênaltis no Estádio Adauto Moraes, em Juazeiro. O Carcará havia vencido o primeiro jogo por 2 a 1 no Estádio Antônio Carneiro, mas perdeu hoje à noite por 1 a 0 com gol de Kesley, e levou a melhor nas penalidades vencendo por 3 a 2, avançando à final do Baianão pelo segundo ano consecutivo. No ano passado, o Atlético também eliminou na semifinal a Juazeirense, mas teve o sonho do título inédito frustrado na disputa por pênaltis, perdendo por 7 a 6 para o Esporte Clube Bahia depois de empatar os dois jogos da final (0 x 0 e 1 x 1).

 

Na sequência, foi a vez do Esporte Clube Bahia entrar em campo em busca da vaga na final para tentar o 50º título baiano e o tetracampeonato baiano que não vem desde 1984. Nos primeiros 90 minutos, o time comandado por Cláudio Prates venceu por 1 a 0 com gol de Pablo no Estádio de Pituaçu e jogava pelo empate para se classificar diante do Bahia de Feira, na Arena Cajueiro. No entanto, o Tremendão frustrou os planos do Esquadrão e venceu com autoridade pelo placar de 3 a 0, com gols de Bruninho, aos 8 do primeiro tempo, Diones, aos 38 da etapa final, e Valdívia, aos 49.

O primeiro jogo da final será no próximo domingo (16), às 16h, no Estádio Antônio Carneiro, enquanto a partida de volta acontece no dia 23, domingo seguinte, às 16h, na Arena Cajueiro. Será a primeira vez que dois times do interior se enfrentam em uma final de Campeonato Baiano.

O Atlético de Alagoinhas, vice-campeão em 1973 e 2020, busca o título inédito do Campeonato Baiano, enquanto o Bahia de Feira tenta seu segundo título. Em 2011, comandado pelo técnico Arnaldo Lira, o Tremendão superou na decisão o Vitória e conquistou seu primeiro título. Em 2019, teve a chance de conquistar o bicampeonato, mas perdeu para o Bahia, empatando no Joia da Princesa por 1 a 1 e perdendo por 1 a 0 na Fonte Nova.

 

Comentários:

1 Comentário

  1. Que esse time de transição do Bahia é muito ruim, isso não há dúvidas, porem se o time fosse treinado por um treinador de mais gabarito, ainda que fosse de time do interior, não teria ficado fora da final de forma vergonhosa e humilhante como foi.
    Desde o início da competição, que a cópia de treinador,chamado Cláudio Prates sempre desconfigurou a equipe com mudanças sucessivas no time. Escalações na maioria das vezes, de cunho político, de interesses escusos.
    O que levou o professor pardal, mudar o time que assim ou assado, ganhou o Bahia de Feira no domingo? Porque sacou o lateral Borel? O futebol do Bahia, foi tão ruim, tão feio, que preferir dormir, a assistir o segundo tempo.
    Vale a pena Bellitani, gastar 300 mil com este time de transiçãok em detrimento da divisão de base?
    Já imaginou se não ganha a Copa do Nordeste, como seria as cobranças da Imprensa e da torcida agora?
    Contudo, não invalida a decepção e o fracasso do time de transição em campo, afinal é o nome do clube que está em evidência. Lá fora, quando verem o resultado, não vão saber que é o time de transição, um arremedo de time.
    Esse time de transição, exceto uns 4 jogadores, nunca inspirou confiança, sempre foi um bando em campo de jogadores medíocres? O qual, não revelou um único atleta capaz de jogar ou ser titular no time principal.
    Bellitani precisa mudar esta política idiota e fracassada de investir em time de transição, excluindo totalmente a divisão de base do clube.
    Espero que a torcida levante esta bandeira, porque nenhum clube prospera sem política de investimento nas divisões de base.
    Esperamos que desfaça totalmente esse time que escreveu uma página negra na história do Bahia neste campeonato baiano.
    Por mais que a Imprensa ou o torcedor ignore, só não tem valor para quem perde.
    Que esta campanha e esse eliminação vergonhosa, sirva de lição para os próximos anos.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*