Bahia divulga demonstrativos financeiros e cita cenário de maior dificuldade

Bahia teve uma queda de mais de R$ 10 milhões em receitas

O Esporte Clube Bahia tinha uma previsão de faturamento para 2020 em torno de R$ 180 milhões, podendo chegar nos R$ 200 milhões, no entanto, a pandemia do coronavírus que paralisou totalmente o futebol, atrapalhou os planos da diretoria tricolor. Não só o Bahia, como todos os clubes brasileiros vem sofrendo com a perda de receitas. Em nota oficial, o Esquadrão divulgou demonstrativos financeiros do primeiro dos primeiros meses do ano e destacou “três circunstâncias combinadas impactaram, de maneira determinante, para um cenário de maior dificuldade no referido período”. Em comparação com os primeiros três meses do ano, abril teve uma queda de mais de R$ 10 milhões em receitas. Vale lembrar que no início do ano, a diretoria recusou uma proposta superior aos R$ 20 milhões pelo volante Gregore e hoje pode acabar negociando o atleta para fazer caixa. Em relação às cotas de TV, em março, o clube recebeu R$ 4,5 milhões. Já em abril, somente R$ 151 mil.

 

VEJA AQUI

Confira a nota:

Reforçando o compromisso com a política de transparência, a Diretoria Executiva torna público os demonstrativos financeiros dos meses de março e abril de 2020. Três circunstâncias combinadas impactaram, de maneira determinante, para um cenário de maior dificuldade no referido período.

  • Decisão estratégica e planejada de realizar robustos investimentos nas obras e equipamentos do novo Centro de Treinamento com recursos do próprio caixa, nos meses de janeiro a março, sem financiamento bancário e sem liquidar o antigo CT no curto prazo. O antigo CT segue como ativo do Clube.
  • Decisão igualmente planejada de não vender atletas no 1º semestre de 2020, mesmo com ofertas significativas na ordem de R$ 20 milhões por apenas um dos atletas, com foco na competitividade do time e na manutenção de ativos importantes para negociações na janela do meio do ano, quando há maior movimentação no mercado.
  • Por fim, fator não previsto, diferente dos demais, os efeitos evidentes, já em março de 2020, da pandemia do Covid-19, responsável pela suspensão de todas as atividades esportivas e queda acentuada de receitas do Clube, inclusive suspensão integral ou parcial dos pagamentos dos contratos de TV, receita mais significativa do Clube.

Principalmente em razão dos efeitos da pandemia do Covid-19, entendemos que haverá um impacto no resultado orçado para o ano de 2020. Porém, é possível projetar cenário de relativa recuperação a partir de agosto de 2020, principalmente em razão do retorno às atividades esportivas, alternativas viáveis de liquidação de patrimônio (número razoável de atletas com contratos definitivos e com significativo valor de mercado), além das estratégias já implantadas de redução de despesas, repactuação de contratos e fortalecimento de boas práticas de governança.

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*