Geninho faz projeção para o Vitória escapar do rebaixamento à Série C

Treinador faz as contas: "Temos que atingir 44, 45 pontos"

Foto: Letícia Martins/EC Vitória

É costumeiro nas entrevistas ouvir o técnico Geninho fazendo contas e citando a pontuação que o Esporte Clube Vitória tem que atingir para escapar do rebaixamento à Série C do Campeonato Brasileiro. Sem vencer há cinco jogos e ocupando a 18ª colocação com 26 pontos, situação delicadíssima e que se arrasta desde as primeiras rodadas da competição, o Leão enfrenta nesta terça-feira (08) o Oeste, às 20h30, em duelo da 27ª rodada que marcará o retorno do time ao Estádio Manoel Barradas, algo comemorado pelo treinador que fez uma projeção de 44 ou 45 pontos e 100% de aproveitamento em casa para o Rubro-Negro carimbar a permanência na Série B.

 

“Temos que atingir 44, 45 pontos. Pelo desempenho que está acontecendo, temos que tentar, se possível, fazer o 100% em casa, mas temos que estar preparados para fazer ponto fora. Temos que sair pensando nisso, para que a gente some o mais rápido possível esse número que projetamos. O campeonato quando vai chegando ao fim ele se torna complicado. Todo mundo joga amarrado, joga por um ponto… então você precisando de três e ele de um, é muito pior. Mas acredito que a gente possa atingir sim. Voltar pra o Barradão, na minha opinião, é muito bom”

Geninho também comentou sobre o retorno do Vitória ao Estádio do Barradão após muitas semanas de negociações para mandar seus jogos na Arena Fonte Nova, porém, por conta do público pequeno que gerou prejuízo, a diretoria decidiu mandar as partidas de menor apelo no seu santuário. O treinador convocou o torcedor.

“Quando um time está nesse situação, é hora do torcedor vir e pegar o time no colo. É muito fácil torcer para time que está ganhando. É difícil pedir isso para um torcedor, pois estão magoados, mas é importante que compareça para empurrar o time. Deixe as críticas para depois. Se terminar a partida e o resultado não for o que ele queria, ele tem direito de vaiar e cobrar. Espero que a torcida venha e jogue junto conosco. Acredite que a gente possa. Todo mundo tem que acreditar. Quero enaltecer a torcida do Vitória pelo comportamento no último jogo. Fez a parte dela. Espero que continue fazendo”

O técnico também destacou que tem trabalhado bastante a parte psicológica dos jogadores. “A conversa e as reuniões são tão importantes quanto o treinamento. Tem que dar tranquilidade ao grupo. Tem que se sentir protegido e amparado para fazer os jogos, para que essas coisas não voltem a acontecer. Tomar um gol aos 47 do segundo tempo, de bola parada… Tudo isso passa pelo psicológico. Se você está tranquilo, as coisas acontecem de uma maneira mais natural. É importante passar tranquilidade para esse grupo. Se o cara estiver pressionado, entrar em campo sabendo que não pode errar o último passe se não o mundo vai cair em cima dele, ele não vai produzir. O trabalho psicológico é tão importante quanto os treinamentos de campo”, afirmou.

 

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*