O sonho da Libertadores é claro e seguro pelo futebol do Bahia, diz Roger

"O desempenho tem nos agradado e gerado otimismo”, disse.

Foto – Felipe Oliveira/EC Bahia

É inevitável não se falar de Libertadores no Esporte Clube Bahia. Em entrevista coletiva concedida na tarde desta quinta-feira (12), na sala de imprensa do Fazendão, o técnico Roger Machado foi perguntando sobre o excelente momento do clube no Campeonato Brasileiro da Série A e a possibilidade de conquistar uma vaga na Copa Libertadores. O treinador voltou a afirmar que o time tem o direito de sonhar que está sendo claro e seguro pelo futebol que vem apresentando dentro de campo, gerando um otimismo ainda maior.

 

“Dentro do planejamento em blocos que a gente dividiu, esse bloco nos deu uma gordura importante. O bloco anterior ficou abaixo da expectativa. Sabíamos que tínhamos que recuperar no bloco seguinte, que é esse de agora. Partindo da colocação do ano anterior, temos a oportunidade de subir um degrau e melhorar esse ano, com a performance de campo, a classificação ao final do campeonato. Acho que a pontuação e a colocação são condizentes com o que estamos fazendo dentro de campo. Isso é o que mais me importa. O rendimento é o que vai nos levar a possibilidade de vencer os compromissos, somar pontos importantes para a permanência na primeira divisão, conquistar vaga na Sul-americana ou na Libertadores. Temos o direito de sonhar. E o direito de sonhar está sendo claro, seguro, pela forma de conduzir o processo. O desempenho dentro de campo tem nos agradado e gerado otimismo”, disse.

Roger também projetou o duelo contra o Fortaleza e espera um jogo duro, domingo, às 16h, na Arena Fonte Nova. “O que tenho de antemão é que será um jogo duro, muito difícil. Embora o Fortaleza esteja atrás da gente, tem uma equipe sólida, com transição e contra-ataque muito fortes. Gostaria, de antemão, que no domingo a Fonte Nova vai estar cheia, que o torcedor como em outras partidas nos incentive e nos apoie até o último minuto. Mas vá com a consciência de que será uma partida dura. Não haverá facilidade. Vamos precisar do calor do torcedor do primeiro minuto ao último. Se desejarmos vencer nosso compromisso, precisamos saber que não será de qualquer jeito. Será de forma organizada, respeitando o adversário. Deve ser uma parada bastante indigesta”, comentou.

Ouça a entrevista completa:

Deixe seu comentário

2 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*