Com sete jogadores do Vitória, Brasil treina no Barradão de olho no Peru

Marcelo (foto) foram um dos que participaram do treino do Brasil

Foto: Instagram

Ainda em solo baiano após empate sem gols com a Venezuela na Arena Fonte Nova, a Seleção Brasileira iniciou a preparação para o confronto contra o Peru, marcado para o próximo sábado (22), às 16h, na Arena Corinthians, pela última rodada da fase de grupos da Copa América. Com a presença de sete jogadores do Esporte Clube Vitória (veja abaixo), o técnico Tite comandou o último treino no Barradão antes da viagem para São Paulo que acontece na noite desta quarta. Na quinta-feira (20), o grupo treina no Centro de Treinamento do São Paulo.

 

Além do goleiro Lucas Arcanjo, que já havia participado de um treino antes do jogo contra a Venezuela, os laterais Marcelinho e Elivelton, os zagueiros Jorginho e John, o volante Paulo Vítor e o atacante David participaram integralmente da atividade que foi observada pelo técnico Tite. Com a exceção de Arcanjo, todos os outros atletas integram o Sub-23 do Leão que disputa o Campeonato Brasileiro de Aspirantes.

Com a exceção dos titulares e Fernandinho, o grupo canarinho iniciou a atividade com um trabalho físico, auxiliado por obstáculos. Em outra parte do campo, o preparador de goleiros Cláudio Taffarel fez uma atividade específica com os arqueiros Cássio, Éderson e Lucas Arcanjo, do Vitória.

Na sequência, os auxiliares da comissão técnica orientaram uma atividade técnica em campo reduzido. No trabalho, duas equipes de sete de linha se enfrentaram, com Gabriel Jesus de coringa. Atletas do sub-23 do Rubro-negro, os laterais Marcelinho e Elivelton, os zagueiros Jorginho e John o volante Paulo Vítor e o atacante David complementaram o grupo e participaram integralmente do trabalho.

Deixe seu comentário

1 Comentário

  1. Eu fico imaginando como é torcer para um time velho que nunca ganhou nada. Aí olha o rival, que mais jovem consegue ter torcida maior, consegue ter mais apelo cultural, consegue ser bicampeão brasileiro, consegue ser marcado como carrasco de pelé calando a fonte com 110 mil torcedores tirando o milésimo gol e ganhando dele no primeiro campeonato brasileiro, e mesmo sem ter estádio próprio, consegue ser maior que o rival, que se gaba por ter estádio em cima de um lixão que pode ter sido desova de assassinatos e local de estupro e todo tipo de desgraça que um lixão tem fama de ser. Quem tem condições de pagar aluguel no corredor da “vitória” (sic) não é sem teto, mas quem tem casa própria numa favela feita em cima do lixo é chamado de pobre coitado pelos ricos. É difícil ser torcedor do Victória time de Cricket de 1899..

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*