Superclássico argentino na decisão da Copa Libertadores

A final da Libertadores vai ser em ritmo de tango

Foto: Reuters / Arte R7

A final da Libertadores da América 2018 vai ser em ritmo de tango. Pela primeira vez duas equipes da Argentina farão a final da competição continental. River Plate e Boca Juniors eliminaram os favoritos Grêmio e Palmeiras, respectivamente, e irão disputar a decisão da maior competição de clubes da América naquele que é um clássicos de maior rivalidade do mundo. Para os times brasileiros só resta se dedicar ao Campeonato Brasileiro, onde o Grêmio luta por uma vaga na Libertadores do ano que vem e o Palmeiras lidera a competição.

A partir desta semana, Buenos Aires vai ferver. O primeiro superclássico argentino pelo título da América acontece no próximo dia 7, na Bombonera. O segundo e decisivo jogo será no dia 28 de novembro, no Monumental de Nunes.

O River Plate busca o seu quarto título da Libertadores. A última conquista aconteceu em 2015, quando derrotou o Tigres, do México, na decisão e ficou com o título. Já o Boca Juniors tenta quebrar um jejum de 11 anos sem conquistar a América e faturar o seu sétimo título da competição. A última conquista azul e amarela aconteceu em 2007 quando os argentinos venceram o Grêmio na final. Se vencer o torneio de 2018, o Boca se iguala ao número de títulos do Independiente, também da Argentina, e se torna um dos maiores vencedores do torneio.

História dos duelos

O Superclássico argentino é antigo. O primeiro confronto aconteceu em 1913 e terminou com vitória do Boca por 2 a 1. Desde então, esta rivalidade alimentou confrontos emocionantes e inesquecíveis entre os rivais. Não é exagero dizer que o duelo argentino é um dos maiores do mundo.

Na história dos confrontos, já aconteceram 368 Superclássicos. A vantagem é do Boca Juniors com 133 vitórias. O River Plate venceu 122 embates e foram registrados 113 empates e 924 gols. O último confronto entre os dois times aconteceu em março deste ano, pela Superliga Argentina. Na Bombonera, o River derrotou o dono da casa por 2 a 0.

Na Libertadores, as duas equipes já fizeram confrontos decisivos. A primeira aconteceu na competição de 1978, pela semifinal. O Boca se classificou para decisão após um empate de 1 a 1 fora de casa e uma vitória simples, por 1 a 0, na Bombonera. Esta rivalidade se repetiu mais três vezes na competição continental. Destaque para a última, nas oitavas de final do torneio de 2015. O River passou de fase após derrotar o Boca por 1 a 0 em casa e depois segurar o 0 a 0 no confronto decisivo.

Pela primeira vez decidindo uma Libertadores, as duas equipes sabem o que representa ganhar o título da América sobre o maior rival. Por isso, a expectativa é de um grande jogo, repleto de emoções até o último minuto.

As armas do Superclássico

Um dos fatores que determinaram as campanhas de River Plate e Boca Juniors nesta Libertadores são os seus jogadores. Com elenco repleto de atletas conhecidos, com passagens pela seleção argentina, as duas equipes contam com suas armas para fazerem a diferença no Superclássico.

No River Plate, nomes como o volante Ponzio, capitão da equipe com 37 anos e do jovem atacante Borré, de apenas 23 anos, reforçam o elenco em busca do título. Foi de Borré o gol que garantiu os argentinos na decisão da competição. E como não falar de Lucas Pratto, ex-Atlético-MG e São Paulo. O camisa 9 do River é titular absoluto e esperança de gols na decisão.

Pelo lado do Boca Júniors, o setor ofensivo tem sido destaque nos últimos jogos pela Libertadores. O trio formado por Benedetto, Pavón e Ábila foi decisivo no confronto com os brasileiros pelas quartas e pela semifinal da competição. No segundo jogo contra o Cruzeiro, nas quartas, Pavón garantiu o empate argentino e a classificação para a semifinal. Já nos confrontos com o Palmeiras, Benedetto foi o grande nome, marcando três gols nos dois jogos contra o Verdão. Ele comandou a vitória por 2 a 0 em Buenos Aires e depois ainda marcou mais um no empate de 2 a 2 em São Paulo. Ábila fez o outro gol do Boca.

Aos argentinos a Libertadores e aos brasileiros restou o Nacional

Aos torcedores brasileiros só resta apostar no Brasileirão. A queda de Grêmio e Palmeiras, favoritos nas casas de apostas, fez com que muitas pessoas revessem as suas escolhas, já que os mesmos eram os favoritos nos confrontos das semifinais. River Plate e Boca Juniors não estavam cotados como finalistas, mas venceram dentro de campo e agora fazem a decisão da Libertadores 2018.

De nada adiantou os investimentos e as altas receitas dos times brasileiros. No fim das contas, a Copa Libertadores que começou com 8 representantes nacionais termina com os dois maiores clubes argentinos disputando o título.

A decisão vai ser mesmo uma guerra porteña. O equilíbrio é tão grande que nenhum dos times é considerado favorito. As odds das casas de apostas são de 1.90 para cada um.

 



Deixe seu comentário

3 Trackbacks / Pingbacks

  1. 바카라쿠폰
  2. Mājas lapas hostings
  3. 온라인카지노

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*