Bahia pediu para ser goleado, e só não o foi, pelas deficiências do Inter

"O futebol coletivo de 2017 não se repete no time de 2018"

Realmente, o Bahia foi apático e ridículo diante do Internacional! O que explica esta postura dos atletas? O Bahia que jogava todo encolhido, não era capaz de acelerar o jogo quando roubava uma bola em sua defesa. Foi um time burocrático e previsível, resumindo-se àquelas tentativas de chuveirinhos na área de Nino, sem o menor capricho ou eficiência.

Pediu para ser goleado, e só não o foi, pelas deficiências do Inter. O primeiro tempo, foi o que esperava, pelo que conheço de Guto, mas o segundo tempo, conseguiu ser ainda pior. Não faltou apenas qualidade, faltou vontade, e para esta falta, não há justificativa plausível. Não posso colocar esta derrota apenas na conta de Guto, quem tem que se explicar, são os líderes do time dentro de campo.

Não vou cobrar qualidades que certos jogadores não possuem, mas a falta de comprometimento e vontade, temos que exigir de todos aqueles que estiveram em campo.

Estamos incorrendo em um erro grave. Partimos da memória do futebol apresentado em parte do Brasileirão de 2017, pelos jogadores que foram mantidos, e adicionamos a qualidade de certos atletas que foram contratados, em detrimento dos que foram embora. Assim, projetamos um bom desempenho em 2018.



Acontece que a soma é diferente da síntese, sendo assim, o que temos é um time que não a mesma movimentação, que não tem a mesma garra, que não aproxima as linhas de meio e ataque, onde não há aquelas dobradinha de Zé e Eduardo, que todos imaginavam melhorar com a maior qualidade de Nino.

O futebol solidário, coletivo de 2017, não se repete no time de 2018. Quem tem a bola é um solitário com um problema para resolver, a ser perseguido por vários adversários. Tem muita coisa a ser arrumada, dentre elas, devemos começar pela verdadeira percepção do que temos e do que precisamos.

Não sei se Marco Antônio atuou como atacante, ou volante, pois não lembro da sua presença na área adversária. Em menor escala, posso dizer o mesmo de Zé Rafael. Se é para desempenhar estas funções, não seria mais honesto, escalar os profissionais especialistas nestas posições defensivas? Ao menos teríamos um setor com rendimento aceitável. E não criaríamos falsas expectativas para os torcedores.

Gostaria de ver o “mapa de calor” da movimentação de Marco Antônio nessa partida.

Ramon Santos, torcedor do Bahia, amigo e colaborador do Futebol Bahiano.

Espero que a derrota do Bahia para o Inter tenha sido ressaca do título

Deixe seu comentário