A Bahia, o Brasil.. o Mundo precisa do clássico BA-VI

Ambos precisa um do outro.. mesmo que não queiramos crer

Fot: Felipe Oliveira

Bahia e Vitória, deram um espetáculo deprimente, naquele jogo já fartamente comentado por aqui e alhures… mas quando pensávamos que o pior já havia passado, veio o abandono premeditado dos rubro-negros. E essa desfeita merecia uma resposta à altura, daí o triunfo tricolor e a conquista de mais um título, em pleno “Santuário Rubro-negro”, uma década depois, do último, é um castigo muito mais que merecido, justo, justíssimo?
Não sei!

Convém registrar que ambas diretorias, quem sabe, seja por serem jovens, que no caso não se justifica, e sim por serem imaturos no lidar dia a dia com dois grandes clubes de massa, se deixam levar pelo coração ufanistas e irracional de torcedor, em detrimento do equilíbrio e do bom senso para com ambas instituições!

E hora e meia cada uma manda o seu recado malcriado em direção ao outro, e nos torcedores somo alimentados pela insana e amadora inimizade que não leva a nada, exceto a constatar que vivemos um Estado de Exceção, dentro e fora do campo, até mesmos os imparciais profissionais da bola estão a mercê, deste estado de intolerância coletiva que assola o país.

Passou, bola pra frente, que não venhamos mais ter que assistir tais atos de bravata de ambos os lados, que não venhamos mais ter que ficar sem vocês, em campo, vocês Ba-Vi que são o bem maior do futebol baiano e um dos bens imateriais do mundo do esporte.



A Bahia, o Brasil.. o Mundo precisa do BA-VI, que aprendi a amar quando criança, em uma arquibancada sem fronteira, exceto da alegria do grito de gol de ambos os lados. Quantas e quantas histórias foram escritas no meio dessa torcida mista, multicolorida, desdentada alegremente irreverente mais mutuamente respeitosa.

Que saudade de vocês Rubro-negros, éramos infelizes e não sabíamos o quanto… o meu era melhor que o teu, o teu era melhor que o meu… ao invés de evoluirmos, involuirmos ao estádio de torcida única. E quem sabe no porvir não muito distante para um estádio sem torcida nenhuma – nem nós – nem vocês… já que são as cores do adversário que nos faz, mais Bahia ou mais Vitória, já que o oposto que que dá o gosto, que dá o tempero, que nos dá o termômetro das nossas emoções!

Ambos precisa um do outro… mesmo que não queiramos crer, mesmo que finjamos ser superiores, nada seremos se um dia nos faltar o Ba-Vi! Nossas estrelas não teriam mais brilho, aí sim seriamos “Sardinha” mesmo… nós precisamos deles, senão a quem chamaremos de “Vice”!?

Visse, tá dado o recado, dirigentes, jogadores e todos nós eternos tricolores e rubro-negros, precisamos um do outro, que nossas diferenças complete a alegria do nosso povo tão hospitaleiro, amado e admirado por outros povos brasileiros.

Lázaro Sampaio, de Gurupi -TO, torcedor do Bahia, amigo e colaborador do Futebol Bahiano.

 

É uma vergonha o Bahia usar time reserva numa competição internacional

Deixe seu comentário