Bellintani garante que o Bahia SAF terá profissionais de altíssimo nível

"Eles têm áreas de futebol, de base, de performance e toda a área também de gestão", frisou.

Foto: Reprodução/TV Bahêa

O Esporte Clube Bahia iniciou a fase de transição para a Sociedade Anônima de Futebol (SAF), após a aprovação da proposta do Grupo City. Nos próximos dias, o torcedor tricolor poderá ter novidades, com os anúncios de reforços, do novo treinador e também do diretor de futebol. O primeiro nome a ser oficializado deve ser o treinador português Renato Paiva, que já treinou Benfica-POR e Independiente del Valle-EQU, e deixou recentemente o Club León, do México. No último sábado, o presidente Guilherme Bellintani afirmou que os profissionais contratados pelo Grupo City serão de “altíssimo nível”.

 

“Independentemente dos nomes que venham eventualmente para futebol profissional e de base, eu tenho certeza que a equipe que irá compor o novo Bahia SAF será de altíssimo nível. Eles têm áreas de futebol, de base, de performance e toda a área também de gestão. O que estou vendo é um movimento muito interessante de trazer profissionais muito qualificados do Brasil e até algumas pessoas que eventualmente venham de fora do Brasil para compor esse time da SAF a partir daí. Em breve anunciaremos isso”, disse o presidente Guilherme Bellintani. 

Além da busca por reforços, o City precisará definir a renovação de alguns jogadores que participaram da campanha do acesso à Série A, casos dos zagueiros Luiz Otávio e Ignácio, e dos meias Ricardo Goulart e Lucas Mugni, que têm vínculos encerrando no final deste ano. Outra dúvida é sobre o novo diretor de futebol, já que Eduardo Freeland dificilmente será mantido no cargo. A reapresentação do Bahia está marcada para o dia 12 de dezembro. Em 2023, o clube vai disputar Campeonato Baiano, Copa do Nordeste, Copa do Brasil e Série A do Brasileirão.

O fundo árabe vai desembolsar um aporte de R$ 1 bilhão pela aquisição de 90% da SAF do Bahia em até 15 anos. A associação civil permanecerá na sociedade com participação minoritária, por meio de seus 10%. Desse valor, R$ 500 milhões serão destinados para a compra de jogadores, R$ 300 milhões para o pagamento de dívidas, e R$ 200 milhões para infraestrutura, categorias de base, capital de giro, entre outros.

Autor(a)

Fellipe Costa

Administrador e colunista do site Futebol Bahiano. Contato: futebolbahiano2007@gmail.com

Deixe seu comentário