Bellintani fala sobre mudança de cultura do sócio do Bahia após a SAF

Questionado sobre o assunto, Bellintani frisou que será preciso uma mudança de cultura.

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

Guilherme Bellintani está no seu segundo mandato como presidente do Esporte Clube Bahia e nos últimos anos sofreu uma pressão por conta dos fracassos do clube nas competições, como eliminações precoces em torneios regionais e estaduais, rebaixamento para a Série B, contratações de diretores e treinadores que não deram certo, etc. Agora, com a chegada do City Football Group, que comprou 90% da SAF do Tricolor por R$ 1 bilhão, Bellintani não responde mais pelas decisões do futebol do clube.

 

Com o presidente apenas responsável pela associação, que fica com 10% das ações, em caso de derrota a pressão da torcida terá que ser direcionada para Ferran Soriano, CEO do City, o que será muito mais complicado. Questionado sobre o assunto, Bellintani frisou que será preciso uma mudança de cultura para o torcedor e para a imprensa, que “terão que se acostumar com menos informações compartilhadas num nível de especulação”.

“Isso é engraçado, porque vai precisar haver não só do sócio, mas de todo o ecossistema do futebol. A imprensa própria, não exclusivamente do Bahia, mas do Brasil inteiro, está acostumada aos vazamentos, ao “liga para um diretor”, “liga para um conselheiro”. A tendência é que não só o Bahia, mas o Brasil todo, quanto mais as SAFs tomarem conta, a coisa ficará mais impessoal nesse aspecto e uma cultura diferente. O trabalho será feito pelo clube, não em função de uma pressão da imprensa ou da torcida. É uma mudança de cultura.”, disse em entrevista ao GE.

“Vamos nos aproximar um pouco mais de uma lógica europeia, de comunicação, menos no “disse que disse”, mais frias, então vai ser uma mudança de cultura para o sócio e para a imprensa, que vai ter que se acostumar com menos informações compartilhadas num nível de especulação, e a coisa vai ganhar mais governança. Cada SAF vai ter sua característica, mas vai ser uma mudança cultural para o futebol brasileiro.”, afirmou. 

Autor(a)

Fellipe Amaral

Administrador e colunista do site Futebol Bahiano. Contato: futebolbahiano2007@gmail.com

Deixe seu comentário