Solicitação de rescisão de Daniel Cruz com o Bahia é negada

a juíza Vivianne Tanure Mateus avaliou como improcedente a solicitação do atleta feita em março

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

A relação conturbada do Esporte Clube Bahia com o meia-atacante Daniel Cruz ganhou um novo capítulo na última quinta-feira (9). Conforme decisão da Justiça, o pedido de rescisão contratual do jogador com o clube deu indeferido. Desse modo, a juíza Vivianne Tanure Mateus avaliou como improcedente a solicitação do atleta feita em março.

 

Ainda assim, o vínculo do contrato de Daniel Cruz com o Esquadrão de Aço terminou em julho, no entanto, os bastidores seguem intensos. O atleta acionou a Justiça devido a falta de pagamento de contribuições previdenciárias e de três meses de FGTS. Por outro lado, os valores em atraso foram sanados pelo Tricolor.

“No tocante ao FGTS, o recolhimento, com atraso, das competências citadas na peça vestibular, contemporâneas ao período pandêmico, não serve para decalcar a gravidade da conduta do empregador, capaz de autorizar a despedida indireta. Ao revés, denota a boa fé patronal em solucionar a situação, a despeito da crise econômica que lhe atingia”, apontou a magistrada.

“Isto posto, acolho a PRELIMINAR DE INCOMPETÊNCIA ABSOLUTA DA JUSTIÇA DO TRABALHO no tocante ao pleito da alínea “c.4” da exordial, rejeito A  PRELIMINAR DE INÉPCIA; e, no mérito, julgo IMPROCEDENTES os pleitos objeto desta reclamação trabalhista, nos termos da fundamentação supra, parte integrante deste dispositivo como se aqui estivesse literalmente transcrita”, complementou Vivianne Tanure.

Empresário de Daniel Cruz aponta “irregularidades” 

Em entrevista ao site Bahia Notícias, o empresário do atleta, Marcelo Pacheco, sinalizou que a sentença é injusta e descreveu ações “absurdas” do Bahia.

“A sentença não é justa, de forma que, neste exato momento, estamos nos dedicando à interposição do recurso cabível. O Tribunal da 5ª Região, para onde vai nosso recurso, é amplamente receptivo à nossa tese. Fato é que, dentre outros absurdos, dentre muitas outras ilegalidades, o clube reteve parte do salário do jogador e não o repassou ao INSS, o que, inclusive, é definido por lei como crime de apropriação indébita”, explicou.

Em contrapartida, dentro de campo, o Esquadrão de Aço briga pele segundo triunfo seguido na Série A do Campeonato Brasileiro 2021. A próxima oportunidade será diante do Santos, neste sábado (11), às 21h, no Estádio Urbano Caldeira (Vila Belmiro).

Deixe seu comentário!

5 Comentário

  1. O empresário de Daniel prejudicou o menino ,em nenhum lugar do mundo o atleta se valoriza em 200% saindo da base por ter feito um bom campeonato de base .
    Conheço o Pai de Daniel ,disse a ele para orientá-lo ,porém ele mim disse que o empresário estava testando com o absurdo salário para o menino .

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*