Rodriguinho cobra R$ 4,16 milhões de direitos de imagem do Cruzeiro

o Cruzeiro se comprometeu em arcar com aproximadamente R$ 2 milhão de direitos de imagem

Em fase instável no Esporte Clube Bahia, o meio-campista Rodriguinho acionou a Justiça acerca da dívida de R$ 4,16 milhões do Cruzeiro, ex-clube do jogador. A cobrança, a princípio, diz respeito a falta de pagamento de direitos de imagem. Antes de mais nada, a ação, movida no TJMG, se desenvolveu pela empresa RCM Esportes e Participações Eireli, onde Rodriguinho é sócio.

 

Anteriormente, em outra ocasião, ele ingressou com uma petição na Justiça do Trabalho, na qual cobrou R$ 1,4 milhão envolvendo salários e valores acordados no termo de rescisão contratual.

Nesse sentido, no processo, Rodriguinho contesta que a Raposa não pagou nenhuma das parcelas do acordo fechado. Além disso, também não pagou os valores referentes à rescisão contratual entre as partes, selado em 2020.

A priori, o Cruzeiro se comprometeu em arcar com aproximadamente R$ 2 milhão de direitos de imagem a partir de abril deste ano. Todavia, nenhuma das 20 parcelas está quitada.

Natural de Natal, Rodrigo Eduardo Costa Marinho tem 33 anos e surgiu nas divisões de base do ABC, onde se profissionalizou. Acumula passagens ainda por Bragantino, América-MG, Grêmio, Al Sharjah dos Emirados Árabes Unidos, Pyramids FC do Egito, mas foi no Corinthians onde teve seu melhor momento na carreira. Após primeira passagem apagada pelo Timão em 2013, retornou em 2015 sendo peça importante na conquista dos títulos do Campeonato Brasileiro de 2015 e 2017.

Ficou no Parque São Jorge até 2018, quando foi negociado com o clube do Egito, mas voltou ao futebol brasileiro em 2019 contratado pelo Cruzeiro, para suprir a saída de Arrascaeta. Rodriguinho marcou 8 gols nos primeiros 22 jogos da temporada. Sagrou-se campeão mineiro e depois se lesionou. Recuperado, disputou duas partidas em 2020. Por conta de salários atrasados, chegou a um acordo com a Raposa e rescindiu seu contrato acertando em seguida com o Bahia.

Deixe seu comentário!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*