Balanço Patrimonial do Bahia permanece em situação preocupante

Entre janeiro a junho de 2021, o clube recebeu um montagem de R$ 113,1 milhões

Se dentro de campo, o Esporte Clube Bahia luta para se afastar da zona de rebaixamento. Fora das quatro linhas, a diretoria tenta contornar os problemas financeiros, que foram agravados com a pandemia do coronavírus. Recentemente, o Conselho Fiscal do clube divulgou o balanço financeiro, onde foi registrado um fundo patrimonial negativo de R$ 188,3 milhões, referente a parcelamentos, acordos trabalhistas, contingências de no segundo trimestre deste ano. A análise das peças contábeis até junho de 2021 indica que o Balanço Patrimonial permanece em situação preocupante com relação ao Patrimônio Líquido negativo (passivo a descoberto) em R$ 182,9 milhões.

 

Entre janeiro a junho de 2021, o clube recebeu um montagem de R$ 113,1 milhões, incluindo um empréstimo bancário no valor de R$ 4,6 milhões, junto ao Banco Daycoval. Segundo o documento oficial, com exceção ao mês de fevereiro, o clube não pagou os valores referentes aos encargos trabalhistas (INSS e FGTS).

“A análise das peças contábeis até junho de 2021 indica que o Balanço Patrimonial permanece em situação preocupante com relação ao Patrimônio Líquido negativo (passivo a descoberto) em R$ 182,9 milhões. Observa-se que há uma elevada participação de passivos judiciais (parcelamentos, acordos trabalhistas, contingências) e que o Fundo Patrimonial é negativo (-R$ 188,3 milhões). As DREs apresentaram resultados negativos nos três meses que são objeto desta análise, tendo acumulado um superávit de R$ 4,6 milhões no 1º semestre deste ano. Esse resultado foi influenciado pelo registro de receitas da temporada 2020, que, em função da postergação do Campeonato Brasileiro, foram contabilizadas em 2021, bem como pela classificação alcançada pelo Bahia na competição”

“O fluxo financeiro do Clube apresentou um recebimento de recursos no montante de R$ 113,1 milhões no período de janeiro a junho de 2021. As principais rubricas foram: Transmissão (R$ 56,6 milhões) e Transações de Direitos Federativos (R$ 27,9 milhões). A respeito de outras entradas de recursos, a mais expressiva é relativa a um empréstimo bancário/antecipação da ordem de R$ 4,6 milhões, contratado junto ao Banco Daycoval no mês de junho”.

“ A respeito do FGTS é imperioso frisar que no período em análise houve a promulgação, por parte da Presidência da República, da Medida Provisória nº 1.046, em 27/04/2021, com diferimento do seu recolhimento referente às competências de abril, maio, junho e julho de 2021. Ademais, o fluxo financeiro do Clube encerrou o semestre em -R$ 103 mil, restando saldo em caixa de R$ 221 mil”, diz um trecho do documento.

VEJA COMPLETO AQUI

Autor(a)

Fellipe Costa

Administrador e colunista do site Futebol Bahiano. Contato: futebolbahiano2007@gmail.com

Deixe seu comentário