Atlético-BA se pronuncia após denúncia de greve dos atletas por não pagamento de premiação

o presidente do Atlético, Albino Leite, se pronunciou e afirmou ter ficado surpreso

Na última semana, surgiu a informação de que os jogadores do Atlético de Alagoinhas não receberam a premiação pela conquista do Campeonato Baiano e estariam ameaçando fazer greve. A denúncia foi divulgada pelo programa Conexão Notícias, da emissora de rádio 93 FM de Alagoinhas. Nesta segunda-feira, por meio de nota divulgada nas redes sociais, o presidente do Atlético, Albino Leite, se pronunciou e afirmou ter ficado surpreso com a denúncia. Além disso, o mandatário disse ter ido na Rádio prestar esclarecimentos, mas ouviu frases do tipo: “Não tenho obrigação de ligar para ninguém” e “a denúncia foi feita e eu jogo no ar”. Ele também acusou o programa de cortar o microfone que utilizava na condição de entrevistado.

 

VEJA A NOTA ABAIXO

A missão de fazer futebol profissional no Nordeste brasileiro ficou ainda mais difícil com a pandemia de escala global. No Atlético de Alagoinhas, a situação não é diferente. Desde março de 2020, o clube lida com a total ausência da sua principal fonte de receita: a bilheteria.

Em meio a tantas adversidades, o Atlético luta para honrar os compromissos financeiros com seus funcionários e fornecedores. E mais do que isso, dá resultado dentro das quatro linhas: Chegou a duas finais consecutivas de Campeonato Baiano e conquistou o título inédito em 2021.

Com boas campanhas no estadual, o Atlético de Alagoinhas conquistou vaga na Copa do Brasil do ano passado – gerando uma receita que deu fôlego financeiro pontual e de curto prazo –, e garantiu vaga na Copa do Brasil e na Copa do Nordeste de 2022. Logicamente as receitas referentes às participações nestas competições serão creditadas ao clube no ano de suas disputas.

Neste contexto de muito sacrifício e trabalho, a diretoria do Alagoinhas Atlético Clube foi surpreendida com uma denúncia, divulgada no programa Conexão Notícias, da emissora de rádio 93 FM de Alagoinhas, acerca do não pagamento da premiação aos jogadores pela conquista do campeonato baiano e greve do elenco.

Vale ressaltar que, em momento algum, fomos contatados pela produção ou âncora do referido programa para apresentar a versão do clube sobre a denúncia. No contexto de uma acusação que poderia ter sido previamente apurada, o cerceamento do direito ao contraditório, no mesmo espaço e momento da veiculação da denúncia, fere os preceitos básicos do bom jornalismo.

O Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros aponta, dentre as responsabilidades de um profissional do jornalismo, a de “ouvir sempre, antes da divulgação dos fatos, o maior número de pessoas e instituições envolvidas em uma cobertura jornalística, principalmente aquelas que são objetos de acusações não suficientemente demonstradas ou verificadas”.

No contexto da denúncia contra o Atlético de Alagoinhas, é importante destacar que a sua veiculação representa desserviço ao clube, que vem buscando patrocinadores para honrar os compromissos financeiros. Por tabela, também prejudica a apaixonada torcida do “Carcará”.

Ainda que não tenha sido contatado, na condição de presidente do Atlético, estive na emissora no dia seguinte, para prestar os devidos esclarecimentos. Ao questionar a ausência da apuração prévia, fui interrompido diversas vezes, de forma, no mínimo, deselegante. Ouvi do apresentador frases do tipo: “Não tenho obrigação de ligar para ninguém” e “a denúncia foi feita e eu jogo no ar”.

Em outro claro sinal de desrespeito, o apresentador do Conexão Notícias chegou a orientar o operador de áudio a ‘cortar’ o microfone que eu utilizava na condição de entrevistado. Posteriormente, tentou encerrar a minha participação com um abrupto “Seu tempo acabou!”.

Este é o tipo de postura desrespeitosa que não condiz com a prática do jornalismo responsável e de utilidade pública, mas sim, do denuncismo barato, sensacionalista e, sobretudo, irresponsável, que desconsidera o dano às pessoas ou instituições.

Certo da minha integridade e lisura, bem como de toda a diretoria do Alagoinhas Atlético Clube, seguiremos lutando por dias melhores, em busca de parceiros comerciais e investimentos que viabilizem o projeto de transformação e evolução do clube em títulos e patrimônio. Com boas práticas, ética e respeito às pessoas e instituições, sempre.
Cordialmente,
Albino Leite.

Comentários:

1 Comentário

  1. O que adianta ter sido campeão Baiano e passar por esse perrengue todo? Antes tivesse deixado o Bahia de Feira ser campeão. Os jogadores mereceram pela entrega. Mas se tratando de estrutura e pés no chão, o Bahia de Feira mereceu mais…

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*