Sem uma decisão enérgica da diretoria, Bahia terá mais um ano frustrante

"Se não sentar e discutir imediatamente essa questão, será mais um ano de meio de tabela"

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

Após mais um vexatório revés ante ao “poderoso” Ceará, venho virado na porra escrever para esse Blog, e além humildemente tentar pontuar coisas que saltam aos olhos de uma quase unanimidade, sobre as recorrentes falhas defensivas aliadas à inércia do time na hora de balançar as redes, fazer uma reflexão sobre os rumos que se apresentam para o EC BAHIA. Inicialmente, falar do senhor Roger Machado, que tem conseguido fazer com que Rodriguinho, um camisa 10 de fato, se sinta como um cachorro perdido no meio de um caminhão de mudança. O treinador se cega ao não ver que um jogador como Daniel faz o jogo de Rodriguinho fluir. Além disso, nota-se que não sabe colocar Gilberto em sintonia com Rodriguinho, ao entrar, Daniel conseguiu não só melhorar a saída de bola como deu passes que furam as linhas fechadas, ou seja, inteligência para pensar o jogo que há algum tempo não se vê e este rapaz continua na reserva.

 

Um treinador que tem o time na mão, muda de acordo com o adversário, movimenta as peças do tabuleiro e procura melhores soluções para poder lograr o êxito desejado, coisa que não acontece com Roger desde o meio do ano de 2019 para frente. No domingo, vi e pensei que a diretoria do Bahia tinha na cabeça que Guto ainda era técnico do Bahia, tamanho o conforto que lhe foi dado em campo, sem que ao menos houvesse perigo ao Ceará.

Bellintani tem sua parcela de culpa, afinal, como já havia dito em outro texto, mostra comodismo e conformismo. Sua racionalidade com as finanças é notável, mas ele tem que entender que além de campanhas e marketing, o Bahia precisa de evolução esportiva, precisa de resultados satisfatórios em campo, precisa de títulos para referendar e estabelecer o clube no cenário nacional como se deve.

Vestiário ganha jogo e assim como vi em clubes brasileiros, que inclusive passam por problemas de gestão, onde seus presidentes simplesmente dizem: SE TIVER INSATISFEITO, A PORTA DE SAÍDA É A SERVENTIA DA CASA. É preciso ser enérgico e cobrar, pois se fosse o contrário, se os salários estivessem atrasados, por exemplo, os jogadores com certeza fariam algo.

Além disso, vi Roger expor Marco Antônio numa entrevista pós-jogo, coisa que ainda não tinha visto, justificando sua ausência por falta de profissionalismo do jogador nas palavras dele. Pergunto-me: e se não fosse jogador da base ele teria a mesma postura? Creio que não, afinal, há vários jogadores que nada rendem e ele acoberta e não os expõe nem a pau, com a justificativa de preservar seus atletas. Essa declaração mostrou claramente que o vestiário está perdido e que as coisas tendem a piorar.

Se for o caso de pagar a rescisão de Roger, pode aproveitar o dinheiro de Flávio que está em mãos e o mandar pegar o boné e vazar. Não vejo motivação nenhuma mais dos atletas em atender o treinador, vejo em campo uma sensação de tanto faz como tanto fez, isso porque ninguém se sente ameaçado de perder nem o lugar no time e muito menos o Roger tem medo de sair, pois está confortável sentado na sua multa rescisória.

Se não sentar e discutir imediatamente essa questão, e tomar uma decisão enérgica, será mais um ano FRUSTRANTE, de meio de tabela e apenas com título do decadente Campeonato Baiano, E NADA MAIS.

Diego Campos, torcedor do Bahia e colaborador do Futebol Bahiano.

Deixe seu comentário

5 Comentário

  1. Sr. Presidente é óbvio que ele está confortável em cima da multa rescisória.
    Agora é o prejuízo financeiro que ele trouxe ao clube como fica.
    Deveria ter feito um contrato de produtividade com esse senhor.
    A cada desclassificação de cada torneio precise deveria reduzir a multa em porcentagem.
    Assim ele sentiria na pele o que fez com a torcida tricolor.

  2. são raros os técnicos que tem vida longa num clube de futebol aqui no Brasil e tem resultado, só vejo Renato Gaúcho porque se identifica com o Grêmio, fora ele todos outros é vida curta devido a vários fatores como desgaste, olho grande, panelinha de jogadores fazendo corpo mole para derrubá-lo, por isso a minha opinião é não fazer contrato com técnico ou se fizer um contrato fazer no máximo de quatro meses, com possibilidades de renovação a depender do empenho.

  3. Não compreendo a filosofia de dirigentes de clube; contrata técnico com salário alto e não tem dinheiro para contratar jogador, na minha opinião entre contratar um técnico de quatrocentos mil, poderia muito bem contratar um de cinquenta e disponibilizar os quatrocentos para contratar quatro jogadores bons que dessem resultados, pois por melhor que um técnico seja sem jogadores de qualidade ele não vai fazer milagre, vai pedir jogadores de qualidade para fazer seu próprio nome, a opção oposta a probabilidade de dar resultados satisfatório seria maior, pois quem joga bola e faz gol é jogador.

  4. Se no contrato dele como multa rescisória é pagar o salário até o fim é simples, é só encostá-lo como o Náutico fez com Ricardo Dalpozo, exigir a presença dele todo dia no CT seguindo carga horária diária Deixando ele de molho o dia todo) como funcionário do clube, contratar outro técnico, sem contrato (serviços prestados) ou sem multa rescisória, pois já houve casos assim em via de mão dupla ou ele pede para sair ou o clube demite.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*