Brasil pode ser o 1º país da América do Sul a abrir os estádios ao público

Rio de Janeiro liberou jogos com torcida a partir de 10 de julho

Na última semana, a prefeitura do Rio de Janeiro surpreendeu ao publicar uma medida que libera a presença do público (um terço da capacidade) nos estádios nas partidas do Campeonato Carioca a partir de 10 de julho. Com essa autorização, o Brasil pode ser o primeiro país da América do Sul a permitir torcedores na volta do futebol depois da pausa devido à pandemia de coronavírus. Em um cenário global, ainda são poucos locais que seguem tal linha. Dos 50 melhores países colocados no último ranking da Fifa, apenas seis autorizam torcida em jogos de sua principal competição nacional. A maioria deles é localizada no Leste Europeu – somente Suíça e Dinamarca não fazem parte da região, segundo informação do site Globoesporte.

 

O Japão, por sua vez, tem planos para abrir parte dos estádios no dia 10 de julho, mesma data projetada pela prefeitura do Rio. Na França, o futebol vai voltar a partir do dia 24 de julho depois de mais de quatro meses. O país liberou jogos com capacidade máxima para 5 mil espectadores. Outros países que liberaram jogos com torcida: Croácia, Suíça, Dinamarca, Polônia, Sérvia, Rússia, Bulgária, Vietnã. Belarus e Nicarágua não interromperam suas ligas nem impuseram qualquer restrição para que torcedores fossem aos estádios.

Na última segunda-feira (29), em entrevista à CNN Brasil, o presidente do Esporte Clube Bahia, Guilherme Bellintani, se posicionou contra a presença de público nos estádios neste momento. “Entendo que não é o momento de retornar ao futebol com público. Nenhum lugar do mundo voltou e o meu posicionamento, pelo cenário da Bahia que vejo, o mais coerente é haver a volta dos jogos e somente após o estudo dos jogos sem público, eventualmente, no momento, com autorização das autoridades que entendem. No primeiro momento acho um pouco temeroso, já que nenhum outro lugar do mundo voltou”, indicou.

Deixe seu comentário!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*