Ausência da torcida pode influenciar no desempenho do Bahia em casa?

Torcedores no estádio somente após a vacina contra o coronavírus

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

O futebol vai voltando aos poucos, notadamente na Europa, no entanto, todos que abriram, realizaram e realizam jogos com portões fechados e assim deve ser por um longo período até que seja encerrado de uma vez a crise do coronavírus através de vacina ou um queda significativa das taxas de contágio, penso. Os principais torneios do Brasil devem retornar a partir de 8 e 9 de agosto também sem a festa das torcidas. E aí, qual será o impacto em jogar em casa sem os empurrões, gritos e incentivos dos seus torcedores? O Bahia, por exemplo, com a ausência da sua pujante torcida, perderá qualidade atuando em Salvador? A pegada será a mesma? Saberemos em breve, porém, por agora podemos usar os parâmetros das primeiras rodadas da retomada do Campeonato Alemão, Bundesliga, onde os times visitantes registraram um número considerável de vitórias, o que já indicava que a ausência de torcida nos estádios poderia representar uma vantagem para quem joga fora de casa.

 

No Campeonato Brasileiro do ano passado, o Esporte Clube Bahia teve uma média de público de 26.338 pagantes, o que significa uma ocupação média de 55% da capacidade da Arena Fonte Nova. Foi a maior média desde que o Esquadrão retornou para a Série A. Foi a sexta maior da competição em 2019, sendo superada pelas torcidas de Palmeiras, São Paulo, Fortaleza, Corinthians e Flamengo. A maior presença aconteceu no jogo contra o Flamengo, com 43.099 pessoas. Já a menor assistência foi no encontro com a Chapecoense, com o total de 16.836 torcedores. Nos 34 jogos que atuou em casa no ano passado, contando todas as competições, o Bahia somou 15 triunfos, 11 empates e 8 derrotas.

Em 2020, foram quatro jogos disputados na Fonte Nova pelo time de Roger Machado, com três triunfos e uma derrota (essa justamente no Ba-Vi pela Copa do Nordeste). Venceu Imperatriz e Confiança, pelo Nordestão, além do Nacional do Paraguai pela Sul-Americana. A média de público, até aqui em 2020, é de 20.521 pagantes (contando apenas jogos do time principal) e 17.184 pagantes contabilizando também os jogos pelo Campeonato Baiano.

O jornalista Bruno Rodrigues, do Jornal Folha de São Paulo, fez um levantamento sobre o desempenho dos times mandantes atuando sem o seu torcedor e os números mostraram um certo domínio dos visitantes, algo incomum antes da pandemia. Antes da pausa, o aproveitamento médio dos mandantes no Campeonato Alemão em 25 rodadas era de 50,2% dos pontos em disputa. Desde a volta do torneio, esse índice caiu para 36%. Equipes que ocupam as primeiras colocações da tabela e que buscam confirmar vagas em competições europeias da próxima temporada obtiveram um número considerável de pontos fora de casa e contribuíram decisivamente para essa queda, em uma liga cujo desempenho dos anfitriões já não era muito alto.

Segundo o estudo, a média de vitórias dos mandantes caiu de 45,8% em jogos com torcida para 36% na ausência de torcedores. Os visitantes, que antes venciam apenas 25,9% das partidas, passaram a triunfar em média 33,5% das vezes com portões fechados. “Eu não acho que seja uma coincidência. É mais fácil para os times visitantes quando não há torcedores no estádio. Sem torcida, o jogo fica mais resumido à qualidade dos jogadores”, opinou Peter Bosz, técnico do Bayer Leverkusen.

“Times com qualidade técnica maior são menos dependentes do apoio [da torcida]. Isso cria uma desvantagem maior para alguns times”, disse Adi Huetter, treinador do Eintracht Frankfurt, nono colocado e que somou, desde a paralisação, apenas uma vitória em casa, com duas derrotas e um empate.

Além da ausência de torcedores nas arquibancadas, como parte do protocolo sanitário de retorno da liga, outra novidade na volta do Alemão foi o aumento no número de substituições, permitindo às equipes que fizessem até cinco alterações por jogo, uma forma de tentar preservar os atletas de lesões depois de ficarem algum tempo inativos em razão da pandemia. Já a média geral de gols caiu após a paralisação. Antes, nas 25 rodadas disputadas até a interrupção por conta da Covid-19, o índice era de 3,24 gols por jogo. Agora, da 26ª rodada até a 33ª, a média é de 3,01 gols por jogo.

Deixe seu comentário

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*