Kaká fala sobre prisão de Ronaldinho: “Muito triste ver essa situação”

"O que a gente sabe é muito do que a imprensa noticia", disse

Desde o último dia 6 de março, Ronaldinho Gaúcho está trancafiado em um presídio de segurança máxima em Assunção, no Paraguai, e recentemente teve negado o pedido de prisão domiciliar porque a Justiça entendeu que há risco de fuga e de a investigação de suposta ligação com uma organização criminosa e lavagem de dinheiro ser obstruída. Convidado do Jogo Aberto, programa da TV Bandeirantes, desta quarta-feira (25), o ex-jogador Kaká falou sobre a situação do companheiro de Seleção Brasileira na conquista do título da Copa do Mundo de 2002. Kaká lamentou a situação de Ronaldinho e espera uma resolução para que o amigo volte a sorrir.

 

“É muito triste ver essa situação do Ronaldinho. Claro, a gente não tem todas as informações para poder falar o que aconteceu. O que a gente sabe é muito do que a imprensa noticia. Para nós que convivemos com o Gaúcho, que temos essa relação de amizade, de conquistas juntos, é muito triste ver o Ronaldinho passando por essa situação. As minhas orações e a minha torcida são para que isso se resolva da melhor maneira possível, o mais rápido possível, para que ele possa sair dessa situação e que a gente possa ver o Ronaldinho como sempre viu e gosta de ver sorrindo, jogando bola, brincando, se divertindo”, completou.

No último dia 10, Ronaldinho jogou uma partida de futebol na quadra da penitenciária. De acordo com o site Hoy, Ronaldinho marcou 5 gols e deu 6 assistências na goleada por 11 a 2 de seu time, que conquistou o título. A descrição da partida foi feita pelo jornalista Iván Leguizamón ao canal ABC TV.

Além dos irmãos, há pelo menos 12 envolvidos no esquema, segundo o Ministério Público. Entre eles, funcionários do governo paraguaio e o empresário brasileiro Wilmondes Souza Lira, que teria apresentado a Ronaldinho e Assis a empresaria Dalia López, acusada de ter sido a responsável pela fabricação dos documentos falsos.

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*